Blog do Yogue

Busca

Sobre o blog

A idéia deste meu blog é trazer o mundo do yoga e da meditação mais perto do seu cotidiano.

Adoro responder e investigar sobre este assunto, pois é uma forma preciosa de conhecer mais este universo.

Este nome “blog do yogue” é porque vamos aproveitar a sabedoria de muitos e muitos yogues do passado e do presente para rechear e iluminar o nosso dia a dia. Yogue para quem não sabe é um sábio. E mais propriamente é aquele que chegou lá! Chegar lá no yoga é uma das muitas coisas a se saber...

29/11/2008

Yoga não é tudo igual

Os veículos de comunicação e o Yoga


Tenho confirmado nestes 07 meses de Blog do Yogue a mesma e  (ainda) total desinformação sobre o Yoga que venho observando nestes últimos 10 anos, quando o Yoga começou a ter mais projeção nos meios de comunicação. Não me refiro a falta de erudição muito menos de uma visão histórica do yoga, e sim, o desconhecimento mais básico sobre o assunto.

Muitas pessoas me perguntam pelo blog ou o site da escola onde devo praticar yoga ou se eu conheço algum professor(a) para indicar na sua cidade no interior de S.Paulo, no Rio, em Minas Gerais e por aí a fora, mas, ninguém me pergunta que tipo de yoga devo praticar.


Por que?

Porque não se tem a menor noção da vastidão de caminhos e das diferentes sistemas ou escolas filosóficas, oriundas da Índia, que compõem o yoga.

Um turista perdido


Comparo esta situação ao seguinte:
 

É  como você ouvir de algum estrangeiro em algum país nórdico na Europa que pergunta:   - Que restaurante devo ir no Brasil?


Com esta pergunta, o europeu demonstra que desconhece quantos estados existem aqui, quantos tipos diferentes de culinárias nacionais ele poderá encontrar em cada Estado, fora as especialidades que importamos de outros países neste caldeirão étnico-migratório brasileiro.


A tradicão do Yoga


Caminhos clássicos mais comentados na literatura contemporânea  - século XIX para cá:


Bhakti Yoga – yoga devocional para pessoas de inclinação  religiosa ou meramente devocional , usa mais frequentemente, cantos e mantras devocionais. (Necessariamente pode não fazer nenhum trabalho corporal)

Karma Yoga – trabalho altruísta e desinteressado. O verdadeiro Karma Yogue não se prende aos frutos ou recompensas no seu trabalho. É também uma atitude perante à vida. (Necessariamente pode não fazer nenhum trabalho corporal)
 

Tantra Yoga – confunde-se por exploração errônea de leigos a uma associação com a sexualidade. Os textos tântricos não podem ser contidos numa caixinha tão pequena  como esta que é apenas uma pequena parcela do que abordam. (Necessariamente pode não fazer nenhum trabalho corporal)

 
Laya Yoga – técnicas de meditação e relaxamento que visam a dissolução do ego para vislumbrar a pureza do Ser. (Necessariamente pode não fazer nenhum trabalho corporal)


Jnana Yoga – técnicas de auto-investigação da realidade interna e de refinamento da visão não intelectual do universo interno e externo. (Necessariamente pode não fazer nenhum trabalho corporal)


Raja Yoga – métodos de meditação. Raja significa real.Foi também denominado os escritos do sábio Patanjali – (2200 a.C.) (Necessariamente pode não fazer nenhum trabalho corporal)


Kriya Yoga – mais uma vez técnicas de meditação normalmente de cunho devocional na relação mestre discípulo geralmente após processo de iniciação legado de uma linhagem. (Necessariamente pode não fazer nenhum trabalho corporal)


Hatha Yoga- Este é o que mais se pratica no ocidente. Você aprende exercícios físicos e respiratórios, asanas e pranayamas – e tradicionalmente também os kriyas (não confunda com o Kriya Yoga) que são exercícios de  limpeza das mucosas onde e utiliza água e outros acessórios).

Confusão Geral


Neste Hatha a diversidade é grande, para não dizer "e-nor-me" e atualmente pode ser quase infinita porque além de ter as diferenças da fonte Índia (duas línguas e 16 dialetos oficiais) encontramos professores ocidentais que modificam o que aprendem e dão um nome em língua ocidental ou compõem uma em sânscrito. Classicamente  e basicamente todas que trabalham com asanas e pranayamas são Hatha Yoga.

Aqui mora o perigo


Mas você encontra algumas escolas de yoga cujo trabalho muscular, por exemplo, é mínimo, quase só um contínuo relaxamento, e outras que nem um atleta preparado ou com excelente condicionamento físico acompanha. Aí a pessoa vem do médico me dizendo que ele recomendou yoga !

Se veio de um ortopedista há um tipo de perigo se veio de um cardiologista o perigo é outro ou maior. Porque é fácil constatar que, neste caso, nem o paciente nem o médico sabem que:


- Yoga não é tudo igual!

Por Sandro Bosco às 10h55

27/11/2008

Postura para estimular os ovários

Postura para estimular os ovários

foto-R.Setton

Upavishta Konasana

Upavishtha  - significa sentando

Kona – significa ângulo

 

Este é um ótimo asana principalmente para as mulheres. 

Upavishtha Konasana estimula os ovários, controla e regulariza o fluxo menstrual.

Além desses benefícios este asana estira os tendões e ajuda o sangue a circular na região pélvica.

 Previne o desenvolvimento de hérnias, neste caso podendo até mesmo curá-las em casos menos graves.

 Também alivia as dores ciáticas.

 

Fontes: Light on Yoga – B.K.S. Iyengar – Editora Harper Collins

Por Sandro Bosco às 17h51

O olho que olha o olho

O olho que olha o olho

Ontem à noite comprovei mais uma vez o que tantos yogues recomendam para você selecionar sua última leitura do dia (ou da noite)  aquela que entra com você para dentro da meditação inconsciente do sono.

Aquela que as pálpebras às vezes encerram antes do que a vontade de continuar lendo.

Lia um texto sobre a consciência e a meditação quando algo me chamou mais a atenção e tocou a pele do meu  coração. Dizia lá que quando você medita você procura o Ser (the self, como nas primeiras traduções do sânscrito para o inglês ou o “Si mesmo” – itself - ), o Atman das escritutar yóguicas, mas como procurar algo que é quem está procurando. Me parece com a velha imagem da cobra que toca o rabo ou se enamora neste momento por uma cobra antes de reconhecer ser “Si mesma”.

Eu procuro algo que na verdade é o ‘quem’ está procurando.

E o mestre japonês escreveu:

 

 “É como um olho olhando para um olho”.

 


Mas meus sonhos que vieram do coração arrepiado da leitura provocadora não foram águas plácidas e sim movimentadas e profundas. Mas de manhã, na meditação vespertina, o eco da leitura noturna reverberou e pude perceber quantas vezes voltei dos pensamentos que eram parte de um Sandro que não é este Sandro ou que não é o Atman que hoje abriga este Sandro. Foi rico porque o imã interno maior era o que me trazia de volta para o cerne, Atman, e a voz dizia mas estes pensamentos são o corpo de um condicionamento.

Seria como alguém que ao vestir uma roupa a reconhece e sente  como o próprio corpo e a partir de um momento começa a percebe-la como diferente do seu próprio corpo. Medite!

Por Sandro Bosco às 09h48

26/11/2008

Abra o coração!!!!!

Nada melhor que abrir a região toráxica!!!! 

 

USTRASANA 

A curvatura das costas para trás faz  parecer um camelo.  Ustra em sânscrito significa camelo. Vem daí o nome dessa postura? Não sei porque o mestre B.K.S.Iyengar conta que é assim que os camelos se colocam quando sentam. Eles colocam as pernas da frente dobradas e se levantam as vezes com as duas ao mesmo tempo.

Benefícios: Corrige a postura, beneficia as pessoas de ombros caídos, aumenta a capacidade pulmonar, tonifica a coluna vertebral, deixando-a flexivel; alivia cólicas abdominais.

Cuidados: Não pratique essa postura se estiver com dirarréia, constipação intensa, dor de cabeça e enxaqueca.

Referência: Posturas Principais – Iyengar Yoga – Editora Cores e Letras

Por Sandro Bosco às 16h09

Historia de um rei da antiga India

Historia de um rei da antiga India

A sabedoria do antigo vidente
Patanjali o sábio rishi - vidente - que viveu mais de 200 a.C. chamou nossa atenção pra os Kleshas os 05 tipos básicos de sofrimento ou aflições que assolam a mente ou a vida do ser humano. Avidya – falta de conhecimento ou sabedoria, Dvesha – aversão, Ragat – desejo, Asmita – ações egóicas, Abhineswar  - apego à vida.
O primeiro é a mãe de todos os outros. Mas atenção o sábio não se refere como conhecimento meramente das coisas terrenas, culturais, científicas, ou tecnologias. Conhecimento é perceber a natureza dos pensamentos e dos desejos. Os desejos são infinitos!

Historia do rei Akbar
 “Uma vez na corte do rei Akbar da Índia um Saddhu  - homem santo praticante de yoga  e renunciante de todos os bens materiais- foi visita-lo pois ele recebia muitas pessoas pedindo suas bençãos e ensinamentos para que pudessem lidar melhor com os sofrimentos da vida. O pobre saddhu que não tinha nem bem um teto para acolher tantas visitas decidi pedir ajuda ao bondoso rei. Ao chegar ao palácio real é posto a esperar na sala ao lado onde o rei orava. E escuta as suas orações:
 - “O bom Deus me dê mais conquistas, para que eu aumente meu território de domínio, tenha mais poder e uma armada maior e mais riqueza”, e daí por diante. O saddhu ao ouvir aquilo levanta e vai saindo de fininho quando o rei acena para que esperasse.
O rei conclui então depois.
 - Como ouça ir embora antes de ser atendido por mim?
 - Majestade, com todo respeito, tenho a lhe dizer que, vim em busca de alguma pouca ajuda material para receber melhor  tantas pessoas que buscam em minha choupana orientação espiritua, mas me surpreendi ao ouvir suas orações que ao invés de encontrar um rei poderoso agradecendo à Deus, encontrei um mendigo a mendigar mais e mais à Deus.
O rei Akbar mais tarde relata que aquela visita o fez perceber que quanto mais se deseja na vida mais se quer desejar, pois a mente é insaciável. 

Seria mais fácil enrolar o céu com um paninho,
do que obter a verdadeira felicidade
sem o conhecimento de Si próprio.

UPANISHADS

 

 

Por Sandro Bosco às 15h57

25/11/2008

O último lótus

O último lótus

 

Histórias para refletir ...  

Conta-se que Sudas, o jardineiro, colheu o último loto que sobrara em seu jardim por descuido do inverno. E saiu em direção ao palácio real, a fim de ver se o rei não desejava comprá-lo.
 Ao se aproximar, encontrou um passante que disse:
- Quando queres por esse loto? Desejo oferecê-lo ao Buda, nosso senhor!
  E Sudas respondeu;
- Um masha de ouro, senhor!
  O homem concordou.
  Mas o rei, neste mesmo instante, saía do palácio para ver o senhor Buda.
- Que bonito seria pôr a seus pés esse loto de inverno – pensou o rei. E o quis comprou:
  Quando o Jardineiro disse que já haviam dado por ele uma masha de ouro, o rei lhe ofereceu dez, mas o passante dobrou a oferta.
  O ambicioso jardineiro logo pensou que aquele a quem os dois queriam oferecer o loto lhe daria por ele ainda mais, e anunciou:
- Não posso vender a flor!
  Em silêncio, atravessou a floresta que se espalhava além dos muros da cidade. Sudas estava de pé, diante de Buda, nosso senhor; cujos lábios são o trono do silêncio do amor e cujos olhos destilam paz como a estrela matutina de outono, feita de orvalho.
  Olhou seu rosto, pôs a seus pés o loto. Jogou-se de joelhos e, ao fazê-lo caiu sobre a flor e esta fez-se pó e ao pó se misturou.
  Buda sorriu e disse:
- Que queres, filho meu?
- A mais leve carícia de teus pés.

 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

Na tradição oriental encontramos e reencontramos a menção e reverência aos pés do mestres ou do Guru ( gu – trevas, ru – luz, aquele que ilumina a escuridão).

Os pés, em sânscrito pada, significa também o caminho. Roga-se ensinamento ao mestre para que ele indique o caminho que leva a percepção e entendimento de quem realmente somos. Confundimos o papel assumido na vida com quem se "É". Grandes Yogues nos alertam que você não é o professor nem o aluno, nem o pai, nem a filha, nem o jardineiro, nem o rei, engenheiro ou advogado. Você é o atman, o testemunho interior, esta é a verdadeira natureza interior, que pode observar inclusive seus próprios pensamentos e entrar no estado de lucidez que é a meditação.

Por Sandro Bosco às 09h58

Excelencia na postura do yoga é estar atento no corpo

Excelencia na postura do yoga é estar atento no corpo

 FOTO NO SALÃO NATARAJA NA ESCOLA YOGA DHAM (WWW.YOGADHAM.COM.BR)

------------------------------------------------------------------------------------------

Asanas em dupla - Adho mukha svanasana  - (posição do cão com o rosto voltado pra baixo) com a busca da excelência no alinhamento no Iyengar Yoga, recorremos a trabalhar em duplas e eventualmente acessorios, como o cinto no caso, pois as duas pessoas aprendem. Excelência no alinhamento é em primeiro lugar trazer a atenção continuamente para o corpo e isto se torna uma meditação pois exalta e desenvolve a concentração, qualidade básica para meditar. Benefícios desta postura - Acalma o cérebro e estimula suavemente os nervos, desacelera os batimentos cardíacos, reduz a rigidez das escápulas, fortalece os tornozelos e tonifica as pernas, reduz fluxos menstruais intensos  e ajuda a previnir as ondas de calor durante a menopausa.

Por Sandro Bosco às 09h35

24/11/2008

Boa irrigação sanguínea

Boa irrigação sanguínea

Quando se tem uma terra árida a irrigação pode fazer milagres, na geração de um bom plantio e boa safra. Da mesma forma os yogasanas  - posturas - podem trazer benefícios à saúde do praticante, através da irrigação do sangue em diferentes partes do corpo, como em áreas nobres, como o pulmão, coração e cérebro. (atenção esta postura da foto não deve ser feita por pessoas que tenham pressão alta ou problemas no ouvidos, cardíacos, pressão ocular, ou relacionados)

Por Sandro Bosco às 18h14

Satisfação

Satisfação

 

Quando uma pessoa desiste da diversidade dos desejos de gratificação sensorial que brotam da trama mental, e quando esta mente se purifica, ela encontra satisfação em si mesma, então é dito que ele está na pura consciência transcendental.

Aquele que não se perturba mesmo em meio  as misérias ou júbilo, ou quando há felicidade, e que está livre de apego, medo e raiva, é chamado de um sábio de mente estável.”

 

 

 (2.55,56) Bhagavad Gita

Por Sandro Bosco às 18h02

21/11/2008

Só ensine o que seus neuronios já absorveram

Só ensine o que seus neuronios já absorveram

 

 

 

Antigo sábio e poeta indiano Bhartrihari
disse em um verso do Niti Shataka

prarabhyate na khalu vighnabhayena nichaih
prarabhya vignavitaha viramanti madhyah
vighnaih punah punarapi pratihanyamanah
prarabdhamuttamajana  na parityajanti

Por temor aos obstáculos, as pessoas fracas de espírito não iniciam coisa alguma.
As pessoas comuns iniciam coisas, mas as interrompem quando surgem as primeiras dificuldades.
Mas os melhores homens, ainda que freqüentemente abatidos pelas adversidades, não abandonam uma nobre tarefa.

 

 

Este fim de semana é o último do semestre deste ano de 2008 do curso de formação de professores que eu coordeno no Yoga Dham. Algumas pessoas estão terminando uma jornada de três anos, outras de 02 anos e meio e assim por diante cada um saberá amanhã e domingo avaliar o quanto valeu a pena ter perseverado. O curso é focado em você aprender as técnicas totalmente para só então ensinar e não ensinar o que ainda não viveu e experimentou na própria pele ou tratando-se de yoga:  nas próprias células. Parece óbvio não ensinar o que você ainda não aprendeu mas se você pratica Iyengar Yoga esta frase tem um significado claro. Nem sempre neste vasto mundo ensina-se tão somente o que se aprende. Quantos pais, por exemplo, querem ensinar um comportamento aos filhos ou criar hábitos nos filhos que eles mesmos não tem. Se você “é” ou se você “faz”, você inspira naturalmente a outra pessoa seja um filho ou um aluno. Uma jornada de prática de yoga como a do curso de formação traz inevitavelmente algumas, e boas, transformações pessoais. Os yogasanas - posturas - feitos na busca do alinhamento interno provoca uma mudança neste molde corporal pessoal que estamos habituados a viver neste mundo, e nos coloca gradativamente em um corpo mais amplo, mais vivo e  mais receptivo. Como me disse uma aluna anos atrás, “Com a prática de yoga me sinto enxugada por fora e expandida por dentro”.

Vale a pena perseverar.
Parabéns alunos por mais esta etapa.

 Namaste!

Por Sandro Bosco às 15h18

19/11/2008

 

KROUNCHASANA

KROUNCHA significa garça.  É também o nome de uma montanha chamada o “neto do Himalaya” e  que comoveu o Deus da guerra Kartikeya e por Parasurama, a sexta encarnação de Vishnu..  Nesta postura sentada uma das pernas está dobrada para trás, os joelhos e o dorso do pé contra o chão ao lado do quadril; enquanto a outra perna se eleva verticalmente, segurando o pé com as mãos.  Em seguida leve o queixo até os joelhos, abrindo os cotovelos para as laterais.  A elevação  da perna lembra o pescoço e a cabeça da garça, daí o seu nome.

BENEFÍCIOS: Este asana pode ser executado como continuação de Triang Mukhaikapada Paschimottanasana .  Sua execução é mais difícil do que em  Pachimottanasana, consequentemente os efeitos são maiores.  Essa postura alonga e tonifica os músculos das pernas, os órgãos abdominais também são rejuvenecidos.

Fonte: Ligth on Yoga  -  B.K.S. Iyengar  -  Editora Harper Collins

 


Por Sandro Bosco às 00h51

O caminho do meio

 ... Vindas do  Zen ......
“O caminho do meio está onde não há nem meio nem dois lados. Quando estais escravizados ao mundo objetivo, tendes a um dos lados, quando estais com a mente perturbada, tendes ao outro. Quando nenhum desses lados existe, não há parte do meio, e portanto aí estará o caminho do meio”.
 
..................................

No diálogo entre Eka e Bodhidharma ....
Eka: Minha alma não está tranqüila, mestre. Por favor pacificai-a!
Bodhidharma: - Traz tua alma e eu a pacificarei!
Eka: - Eu a procurei por longos anos e não a encontrei ...
Bodhidharma: - Pois então! Tua alma já está pacificada para todo o sempre!

---------------------

extraído - Introdução ao Zen Budismo de D.T.Suzuki


 

Por Sandro Bosco às 00h43

18/11/2008

Por que praticar em grupo?

Por que praticar em grupo?

 

 

Um elefante no escuro .

Alguns Hindus têm um elefante para mostrar.

Ninguém aqui sequer viu um elefante.

Eles o trazem a noite em um quarto escuro.

Um a um nós vamos ao quarto escuro e voltamos contando como nós vivenciamos o animal.

Alguns de nós tocamos o animal.

Uma criatura tipo um tonel de água.

Outro a orelha.

Um animal como um abanador muito forte, movendo sempre para frente e para trás.

Um outro a perna.

Eu o acho ainda mais parecido com uma coluna de um templo.

Outro toca a curvatura das costas. Um trono de couro.

Outro, o mais inteligente sente a presa. Uma espada redonda de porcelana. Ele está orgulhoso da sua descrição.

Cada um de nós toca um lugar e entende o todo desta forma.

A palma e os dedos tocando no escuro são como os sentidos exploram a realidade do elefante.

Cada um de nós segurou lá, uma vela, e se nós estivéssemos ido juntos, nós o teríamos visto.

 

O iluminado poeta Rumi ( http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=en&u=http://www.rumionfire.com/&sa=X&oi=translate&resnum=9&ct=result&prev=/search%3Fq%3Drumi%26hl%3Dpt-BR%26rlz%3D1T4SKPB_pt-BRBR245BR246)  narra a tradicional historia do elefante revelando a importância do sangham.

Quando um buscador só, ilumina o caminho, ele não tem a mesma luz que um grupo deles em busca da verdade.

Esta é a força do Sat Sangham, de estarmos juntos, em grupo, praticando e crescendo no entendimento da verdade. *

(Rumi nasceu no inicio do século XIII na antiga Pérsia, onde é hoje o norte do Afganistão)

Por Sandro Bosco às 21h31

17/11/2008

 

 

R.Setton

PARSVA UPAVISHTAKONASANA

PARSVA significa “lado, obliquo”
UPAVISHTA significa sentado.
KONA significa “ângulo”


Esta é uma variação de Upavishtakonasana, ver link:


http://blogdoyogue.blog.uol.com.br/arch2008-08-01_2008-08-15.html#2008_08-01_17_31_39-128477789-25

 

No casão desta variação segura-se o pé direito com ambas as mãos, na inspiração alongue a cabeça e o tronco, na expiração vá descendo levando o queixo no joelho direito.

BENEFÍCIOS:

 

Alonga os tendões das pernas, ajuda o sangue a circular por toda a região pélvica mantendo-a saudável. 

Previne hérnia, alivia dor ciática.  Regula e controla o ciclo menstrual.


Fonte: Light on Yoga  - B.K.S. Iyengar -  Editora Harper Collins.

 

Por Sandro Bosco às 14h42

Insights recém nascidos

 

Pela meditação se atinge o infinito. Aquilo que é infinito é feliz. Não há felicidade no limitado.

UPANISHADS

                                            
Outro dia, aqui na UOL, o cantor Lobão disse que  Nada pode deter uma pessoa feliz.”

Esta é uma força que por fora pode parecer frágil, por dentro é gigantesca!


O sábio Patanjali – 2200 a.C. – ensina que é fundamental a prática de Santosha – contentamento.

Ele não diz que se você é feliz e contente por natureza desfrute pelo mundo afora e se você não se sente contente paciência porque contentamento é algo hereditário.

Patanjali coloca Santosha como algo que você deve cultivar, lembrar sempre, e fazer disto uma prática regular como outra qualquer.

Este final de semana tivemos dois dias de prática ininterrupta no retiro. Isto porque nosso combinado lá, foi que mantivéssemo-nos atentos mesmo nos intervalos. Ou seja os intervalos entre uma prática e outra eram também uma prática de yoga e meditação para estarmos despertos pelos sentidos à tudo a nossa volta. E o resultado depois de dois dias era uma "inquebrantável leveza do ser", nos rostos e nos olhos.

O sat sangham (em companhia da verdade, encontro de yogues) é poderoso. Estar com mais pessoas, remando no mesmo barco rumo cada um ao interior de si mesmo é recompensador. Mais uma vez foi recompensador. Nestes retiros tem uma mágica, um mistério sem mistérios, que se chega em um porto seguro pela prática do yoga. O mundo lá fora pode estar em um turbilhão de confusões e  dentro do retiro de cada um, pelo que eu ouvi da boca de cada um: chegamos lá!

Os sábios yogues do passado diziam que quando você percebe em si mesmo uma mudança interna, na sua mente, na sua forma de sentir, esta deve ser cuidada como um bebê recém nascido. Esta mudança é frágil e delicada como um bebê,  e precisa ser alimentada como todo bebezinho, de 3 em 3 horas ou de 4 em 4 horas. Foi isto que trouxemos de lá do retiro, cada um da sua forma teve seu insight. Insights recém nascidos.

Por Sandro Bosco às 14h06

14/11/2008

O Sr.Buda ensinou ....

O Sr.Buda ensinou ....

 

Comentário de  uma aluna:

Sandro, uma vez ao voltar do retiro, enviei um e-mail para você dizendo que para mim a sensação que tive foi:

Shangrilá é mais perto e mais simples do que a gente imagina...

Este depoimento continua sendo absolutamente verdadeiro!
Quando estou muito estressada querendo sumir do mapa, fecho os olhos e me imagino lá...
Quando a gente vive algo que realmente toca o coração, é como um tesouro inesgotável, você pode  acessar, falar e falar quantas vezes quiser , que não gasta...
e de novo você se sente feliz!!!
Obrigada mais uma vez !
Eliana Abdo
 

Grandes soluções estão ao nosso lado. Satya Sai Baba o grande santo vivo da Índia ensina que a peregrinação mais importante da vida não é ir aos grandes locais sagrados da Índia, e sim é aquela que você faz para dentro de você mesmo.

A mente sempre espera soluções complexas pois os caminhos do raciocínio são complicados. Estar inteiro aonde quer que você esteja agora ao ler este post é a grande prática de yoga e meditação. É super simples e por isto é poderoso e transformador.

Uma vez perguntaram ao Sr.Buda o que ele e seus discípulos faziam, ao que ele respondeu:


 - Nós caminhamos, nós sentamos, nós comemos, é assim.
 - Mas Sr, - retrucou o curioso – isto todos fazem.
 - Mas nós, quando caminhamos sabemos que estamos caminhando, quando sentamos sabemos que estamos sentados e quando comemos sabemos que estamos comendo.

Esta é a prática do retiro!

 

Hoje vamos viajar!

Vamos ao retiro Yoga Dham a Morada do Yogawww.yogadham.com.br

Seja Bem Vindo!

Por Sandro Bosco às 09h55

12/11/2008

Cuidar de você mesmo é prioritário?

Quando fui ao Retiro do yoga Dham ....

Sou praticante em iyengar yoga e como todo praticante busco o meu eu interior na pratica diária. Lá no retiro as praticas são bem pessoais e toda aquela calma e tranqüilidade que temos naquele ambiente nos trás isso. A comida leve no jantar, a chuva durante a noite, as praticas logo pela manhã, a reeducação alimentar que fazemos durante os dias de retiro, realmente aquilo mudou minha forma de ver como eu me alimentava e como eu encarava minhas prioridades, isso se reflete ainda hoje na minha vida, com minha busca diária do ¨menos¨, me vinha na mente o tempo todo o porque buscamos ter tanto?
Essa foi minha descoberta durante o retiro feito em setembro de 2006 e estou achando ótimo estar voltando novamente esse ano de 2008.
Edmar

" Recebi de um amigo o presente: o retiro do Yoga Dham. Na hora pensei : retiro de yoga! Confesso que me deu uma preguiça só de imaginar o dia todo praticando horas. Fiquei com medo de não conseguir acompanhar.

Mas não é que nos dois dias o que eu mais quis foi  me exercitar, exercitar; praticar cada vez mais, e o melhor, senti que foi o espirito do retiro que me deu esta paz e disposição. Valeu muito a pena! "  Juarez Camargo

Por Sandro Bosco às 17h33

Convivência e intimidade trazem saúde física e mental

Convivência e intimidade trazem saúde física e mental

 

Praticar yoga e meditação em grupo é como uma migração de pássaros, vamos voando na mesma direção.

Torna-se uma necessidade o destino comum. Pássaros quando migram são solidários entre si e naturalmente o esforço do grupo alimenta e estimula cada um.

Asanas em duplas tem uma apoio e uma troca valiosa , você aprende fazendo e ajudando o praticante que esta´com você.

 

 

 

Este é um dos segredos do Yoga Sangham (a compahnia do yoga e dos yogues) esta é a mágica do retiro de yoga.

Quando estas práticas acontecem várias vezes e nossas resistências vão amolecendo e as experiências novas vem naturalmente. 

É um novo sopro de vida. A convivência e a intimidade são os maiores fatores de cura no ser humano.

Por Sandro Bosco às 17h14

11/11/2008

Tire um tempo para você!

Depoimento  de quem já participou do retiro


Quando cheguei no retiro, estava com muita dor no joelho que achava que era por causa da exaustão dos exercícios ( dança e yoga) mais de sexta feira para sábado sonhei com a articulação do meu joelho, a imagem foi muito clara!
Então no sábado, fiz os asanas prestando muito atenção nos dois joelhos (principalmente no joelho direito), como que esclarecendo a articulação, a partir da imagem e da sensação de cada asana.
Durante os asanas, percebi que o problema não estava nos joelhos, mas no apoio completo dos pés (4 apoios). Neste apoio, senti que alonguei as partes que me machucavam no joelho.
Finalmente, na ultima pratica de domingo, percebi que não estava mais com dores no joelho.
Senti que fiz uma limpeza no meu joelho e na minha mente, uma forma de alinhamento do corpo e da mente
.          

Clarissa Leme Rezende                                                                        

 
Praticar com continuidade


Ouço volta e meia ouço a reclamação de alguns praticantes de yoga que querem praticar mais e sozinhos, eles colocam a questão da descontinuidade na prática. “Como é difícil praticar em casa, além das aulas que eu tenho aqui com você”. Este é um ponto forte, e bem forte, quando tiramos uns dias para participar de um retiro de yoga:  

A continuidade na prática é um ponto alto!

 

 Como o movimento de um riacho
No retiro vamos praticando com calma, sem a pressa do cotidiano de S.Paulo, de manhã um pouco, mais um pouco a tarde, mais um pouquinho a noite, entremeado com uma caminhada pelos jardins do convento (lugar onde vai ser o retiro) um chazinho aqui, uma conversinha ali, e assim os efeitos da prática das posturas, respiração, meditação, caminhadas, vão surtindo efeitos e  liberando algo novo, as resistências de cada um vão se dissolvendo e o clima do grupo vai depurando e clareando. É uma delícia.


(este final de semana (15 e 16/11) tem retiro de yoga – www.yogadham.com.br ou email para yogadham@yogadham.com.br)

Por Sandro Bosco às 09h51

Acalme-se.

Acalme-se.

 

Yoga Mudra em Virasana

posição do grande gesto do yoga na variação da postura do heroi.

Relaxe e entregue-se.

Lembre-se que você está apoiando o rosto no chão.

Volte-se para o globo terrestre. Ele te dá apoio.

Imagine e sinta o tamanho do seu corpo e o tamanho do corpo deste planeta.

Quem te dá apoio à testa, se você quiser chamar da mãe terra, é quantas e quantas e quantas vezes maior que você? Apoie-se com segurança.

Entregue-se por alguns minutos.

Por Sandro Bosco às 09h31

10/11/2008

Estado interior poderoso!

Hoje é um dia especial pois  antecede a semana do Retiro de Yoga - www.yogadham.com.br -  no próximo fim de semana. 

A prática de yoga em grupo, vivendo juntos durante dois dias meditando, praticando asanas - posturas - e pranayamas - respiração, mouna (prática do silencio) isto tudo na natureza, fora de S.Paulo, cria um estado interior muito poderoso e especial.

Nesta segunda-feira, como os preparativos já começam, para mim, é como se o retiro já estivesse começado.

 

QUANDO VOCE ESTÁ  COM UMA  TREMENDA RAIVA OU SENTINDO UMA ALEGRIA INCONTIDA, QUANDO VOCÊ ESTÁ NO IMPASSE, SEM SABER O QUE FAZER, QUANDO VOCE ESTÁ NO TERROR OU CORRENDO PELA SUA VIDA, LEMBRE-SE QUE ESTES ESTADOS INTENSOS DA MENTE ESTÃO PERMEADOS DO SPANDA, (PULSAÇÃO PRIMORDIAL)  A VIBRAÇÃO CRIATIVA DA DIVINA SHAKTI (ENERGIA ESPIRITUAL CRIADORA FEMININA). ENCONTRE-A LÁ.”

 

SPANDA KARIKAS

 

Por Sandro Bosco às 10h17

Aceite o ruído do silêncio e desfrute-o!

Aceite o ruído do silêncio e desfrute-o!

Comentário da Mônica de 07 / 11 – do post -  “Você já viveu antes?”


Acho difícil se livrar da roda (Samsara – roda dos nascimentos e mortes).

Não é "alguém" que decide nada...mas o efeito de nossas ações.

Eu intuo que sem o corpo de matéria densa, não perceberíamos o tempo e a transmutação dos nossos defeitos... E nem apreenderíamos o sentido de agir para o bem dos outros e de nós mesmos! Não se sei se o post foi só "provocativo", perdoe a minha obviedade!

Abraços, Mônica.

Minha resposta

Mônica,obrigado pelo seu comentário, senti que tem uma pulsação sua, é ótimo! http://blogdoyogue.blog.uol.com.br/ .

Não sei se é difícil ou fácil livrar-se da roda de samsara, talvez seja como uma fruta numa árvore, num momento fica madura e se não colhida cai e aí sim sua semente pode fazer nascer de novo. E então é que a  roda de samsara continua. Outro dia li um mestre de yoga dizer numa entrevista que a realização ou iluminação final através do Yoga é demorada. Mas se sentimos assim, “demorada”, estamos perdendo o néctar do momento a momento. A sensação de estar demorada é se alimento algo, por menor que seja, ansioso, lá dentro, para que algo aconteça como resultado de algo que eu esteja fazendo. Melhor parar, e recomeçar com a intenção de praticar yoga pela curtição daquele momento e não do resultado daqui a pouco. Gosto quando você fala “Eu intuo que sem o corpo de matéria densa, não perceberíamos o tempo e a transmutação dos nossos defeitos”.
É uma percepção do corpo interessante, se tivermos que dar uma função a ele.


O mundo objetivo e o mundo subjetivo


Neste mundo encarnado e objetivo, temos esta ilusão que tudo tem de ter uma função prática, objetiva. Há um néctar a ser degustado a cada instante seja ele o momento difícil ou fácil. Este néctar não está revelado na massa de pensamentos está escondido entre os pensamentos. Talvez longe do “objetivo”.Quem escondeu lá ninguém sabe. Eu não sei. Sei que percebe-lo é divertido. Só sei mesmo que quando este néctar se revela é quando escapo do ruído dos pensamentos e estou lá a escutar algo silencioso e gostoso entre eles. Escutar o ruído do silencio. O zumbido do eterno pranava. OM, OM, OM. Saber AGORA, quem escondeu este néctar entre os pensamentos já é desfrutar, AGORA, do sabor hiper saboroso dele mesmo.

Por Sandro Bosco às 09h55

07/11/2008

Celebração do Blog do Yogue

Hoje estou celebrando as 100.000 visitas no Blog do Yogue em 06 meses de existência.

Quero agradecer a todos os internautas visitantes esporádicos, visitantes freqüentes, e em especial a vocês que deixaram os seus comentários com sugestões, correções e apoio. Muito obrigado mesmo! Viva o Blog do Yogue!


 

Por Sandro Bosco às 17h08

Yogues iluminados

“Quando perturbado por pensamentos negativos, devemos pensar naqueles opostos (positivos).

Isto é pratipaksha bhavana.

  Sri Patanjali – Yoga Sutra - Sadhana Pada  - 33


“Asanas penetram profundamente em cada camada do corpo e por último

na própria consciência”.

 

B.K.S.Iyengar

 

 

Mesmo na vida mundana não há amor, não há paz sem entrega.
Todos deveriam viver e em um estado de entrega.
Entrega é o maior dos tesouros”

 

Swami Muktananda

Por Sandro Bosco às 17h05

06/11/2008

O corpo preenchido e a mente vazia

O corpo preenchido e a mente vazia

 

"Asana é toda a posição fácil, estável e confortável"

Sri Patanjali - Yoga Sutras

---------------------  -----------------------  ------------------------ 

A meditação na postura é fruto de uma atenção plena no corpo físico. É o caminho da percepção,  segundo a segundo, da unidade de todas as partes do corpo que controem a postura. São lampejos de liberdade que se prolongam com a prática regular. Isto traz o yoga rasa, o néctar do yoga! 

Por Sandro Bosco às 13h36

Você já viveu antes?

Você já viveu antes?

A Roda ... da tradição Zen-Budista
 
Pergunta o monge:
- Como poderei libertar-me da roda dos nascimentos-e-mortes?
Respondeu o mestre:
 - Quem te colocou nela?

 --------------------------------    ------------------------------------   ------------------------

A roda de nascimento e morte na Índia se chama, Samsara, e pressupõe o processo reencarnacionista da alma. Nesta parábola, que é mais um koan (anedota Zen),  o mestre empurra o discípulo no abismo desconhecido, do reino da  “não-mente”. Enquanto buscamos entender o mundo objetivo do “agora” e do reino “sem nome e sem forma”   da meditação, pelo pensamento subjetivo de opiniões e “achismos” , esbarramos em uma imensa rocha,  e não percebemos o que há de delicado e silencioso por detrás dos ruidosos pensamentos. Algo delicado e silencioso como a luz do sol que logo cedo atravessa as frestas de uma janela.  Se vamos a um profundo raciocínio reflexivo a reencarnação, facilmente, torna-se incompreensível. Quem é este alguém que coordena e decide pela minha próxima vida encarnada? Quais são seus parâmetros? São perguntas que ecoam no vazio da mente e que devolvem aos ouvidos um enorme silencio.  Novamente questões cujas respostas devem ser escutadas sem os ouvidos, vistas sem olhos e tocadas sem a pele.
Medite!

Por Sandro Bosco às 13h21

05/11/2008

Crie espaço na sua coluna vertebral

Crie espaço na sua coluna vertebral

Tadasana Urdva Hastasana - a esquerda ( postura da montanha com as mãos erguidas) e Tadasana Urdva Baddanguliasana ( postura da montanha com as mãos erguidas com dedos cruzados)de uma maneira básica, aumentam com competência o espaço na coluna, alongando-a intensamente.

A coluna vertebral envelhece?
A coluna vertebral recebe com o tempo um aumento do achatamento entre as vértebras. Muitos problemas de dor ocorrem a medida que este processo piora,principalmente nas costas, bem como enervações para os ombros, antebraços, braços e mãos e quadril, coxas, pernas e pés. Em oposição os asanas promovem uma expansão do aumento inter-vertebral. Praticamente, na grande maioria das posturas, usa-se inteligentemente os braços e pernas como ferramentas para o alongamento da coluna e consequentemente para que este espaço aumente e se mantenha. Uma coluna que se mantém jovem atraves do yoga pode ajudar concretamente uma pessoa a se manter jovem, nos movimentos e na agilidade.

 

Adho Mukha Svanasana - (literalmente: a posição do cão com o rosto para baixo) quando feito regularmente,com ações internas corretas para obtenção do máximo de alinhamento, promove farto alongamento da coluna e uma redução do achatamento progressivo entre as vértebras da coluna.

Por Sandro Bosco às 15h03

A qualquer preço

A qualquer preço

Li um artigo de ótima reflexão da Ruth de Aquino, jornalista da Revista Época, entitulado ‘... A qualquer preço”. Ela termina dizendo:
- Há em nós humanos a tentação de agir “a qualquer preço” ... Muitos de nós tentamos a qualquer preço, preservar o casamento, manter o emprego, ser promovido, ganhar o jogo de futebol, bater índices de audiência, vender mais revistas, passar numa prova, sair vitorioso numa eleição, lucrar mais, enriquecer. Não vamos nos iludir: “a qualquer preço” é um preço alto demais.
Continuo a reflexão no âmbito deste blog na relação com a saúde. Lembra-me uma história de um homem que, dirigindo seu automóvel, queria chegar em seu destino “a qualquer preço”. Mas algo cheira mal e ao abrir a janela percebe que pode ser o seu próprio carro, isto ocorre quando a luz do nível do óleo acende. Ele para, pega uma ferramenta no porta mala, e bate forte até quebrar a luz do óleo no painel. Engata uma primeira e continua. Mais alguns tantos Kms o carro começa a engasgar e agora a fumaça aparece pelas frestas do capô. Ele para abre o capô vê que o motor já está pedindo socorro, consegue um balde com água, joga em cima até dissipar um pouco a fumaceira, e , bate e fecha o capô e continua mais um trecho de estrada até o carro pifar de vez.
Há uns anos atrás uma médica procurou um professor de yoga, pois sofria de insônia crônica há décadas. Mas agora os mesmos remédios que a nocauteavam ao sono a comprometiam com efeitos colaterais indesejáveis. Mesmo assim ela falava com o professor como se fosse um favor em estar lá fazendo aulas. Ele comentou com ela:
– Parece que está na hora de se cuidar. Ela, “mas o consultório não me dá tempo” , o professor, “tudo nos leva à escolhas”, ela, “mas é lá que me banca estar aqui”, o professor,

 “ tudo tem seu preço”. Parecia que ela queria negociar com ele algo que era dela com ela mesmo. Obviamente não adiantava ela quebrar a luz do óleo do motor e continuar na estrada no mesmo ritmo “a qualquer preço”. A relação com a saúde é algo peculiar. Nestes casos, no lugar do professor, me sinto bem e seguro de poder dizer a verdade a um aluno quando ele me pergunta se o yoga pode ajudar a melhorar do seu  problema de saúde. Minha resposta é: - Depende de você. Como diz o mestre Iyengar, “Se não curar vai lhe dar uma compreensão maior e melhor do que está acontecendo em relação a doença, o corpo e a saúde”. Bem, se você tem um trabalho ou profissão que é mais importante que você e que deve prosseguir ao sucesso e “a qualquer preço”ou mesmo um relacionamento que deve se manter, “ a qualquer preço” e portanto é mais importante que você mesmo, então, será difícil curar a insônia ou curar qualquer outra coisa.

Por Sandro Bosco às 14h43

Encontros de Meditação

Encontros de Meditação

 

 

 

 

 

Para quem não pode participar na semana passada, terá mais uma chance amanhã de participar do encontro de meditação.

Eles serão todas as quintas-feiras, das 20h00 às 21h15, na escola Yoga Dham. Participe!!!!

Aguardo vocês.

Informações e inscrições pelo site: http://www.yogadham.com.br

Por Sandro Bosco às 13h55

04/11/2008

Pranayama

Pranayama

 

 

"Como o vento leva a fumaça e as impurezas da atmosfera, o pranayama retira as impurezas do corpo e da mente."

B.K.S. Iyengar

 

No próximo dia 08, sábado às 9h00, na escola Yoga Dham (http://www.yogadham.com.br), ocorrerá a aula de Pranayama.

Pranayama, exercício respiratório, é uma das bases do Yoga.

No Hatha Yoga Pradipika, uma das seculares escrituras importantes do Hatha Yoga é ensinado o "Prana chitta vritti nirodha", que significa: " Assim como você respira você pensa".

Uma mente agitada consome muito prana - energia vital - esgotando o organismo.

Um dos benefícios mais reconhecidos do Pranayama é o aumento da capacidade do aparelho respiratório.

Experimente, venha praticá-los conforme a orientação do respeitado mestre B.K.S. Iyengar.

Informações e inscrições pelo site: http://www.yogadham.com.br 

Por Sandro Bosco às 17h55

O Diabo prefere a vaidade

O Diabo prefere a vaidade

Você assistiu a aquele filme com o Al Pacino, O Advogado do Diabo, onde havia uma frase que o diabo repetia, “Vaidade é o meu pecado preferido”? É algo a ser lembrado, e relembrado. Esta lembrança pode ser um norteador para o propósito da sua prática de yoga.
Uma  vez, durante uma aula de yoga, um aluno fazia os asanas na presença do mestre e com total desenvoltura na exploração do seu corpo flexível e bonito, e cada movimento e cada gesto parecia que era auto-motivado pela suposta admiração do mestre com aquela performance. Em um dado momento o mestre corrige o corpo dele e o questiona: “Para quem você está praticando? Concentre-se!”.
 - Há muito a aprender neste episódio. Podemos nos ater em um ou dois aspectos apenas e já aprendemos bastante. Se algo está sendo feito para o reconhecimento externo não há conexão com o cerne da sua prática de yoga. Mas o que é o cerne da prática do yoga? Esta é para você!
Naturalmente que, o que eu estou digitando, desta vez não faz sentido para todos, se você somente começou a suas aulas de yoga para poder melhorar uma tensão dolorida no pescoço ou de dor de cabeça crônica de que vale saber se a sua prática está indo ao cerne ou não pois neste caso você só procurou por uma boa professora para melhorar  a saúde.  Se você pega o gosto e yoga passa a ser importante para sua vida, muitas armadilhas ocorrem no caminho. Armadilhas que o seu ego cria e não vê e que um Mestre pode desmontá-las.
É bom para você mesmo perguntar e re-perguntar o que motiva a sua prática de yoga.
Há uma mola propulsora que se dinamiza na prática do yoga que chama-se Tapas (o esforço sobre si mesmo). O tapas cria ou desdobra a sua força interna com o passar dos anos  e você aprende a sua importância na capacidade de remover barreiras internas. Tapas acende o fogo interno, o fogo das austeridades. Contudo podemos armar armadilhas que e em vez de libertar você das amarras do ego o aprisiona. Conta uma história indiana que dois jovens irmãos que moravam com seus pais um dia se reúnem e um deles explica que quer se dedicar ao yoga para desenvolver seus poderes psíquicos.
Depois de 12 anos os irmãos se reencontram na floresta, a beira do rio, onde morava o irmão asceta. O mais jovem questiona.  – “E então o que você aprendeu todo este tempocom a sua austera prática de yoga?.” O mais velho responde: “ Está vendo este largo e caudaloso rio a nossa frente, veja só oque farei”, e começa a atravessar sob as águas sem sequer molhar a sola dos pés. O irmão que fica chama o barqueiro, e atravessa o rio para reencontrar o irmão yoguim, e ao chegar argumenta:
 - “Lhe custou 12 anos para obter este poder que a mim custou apenas uma rúpia que eu paguei ao barqueiro”.
Oque motiva a sua prática de yoga? Seu motivo é puro ou é retro-alimentado pelos elogios e admirações dos outros. Dizia o diabo: “Vaidade é o meu pecado predileto.”

Por Sandro Bosco às 12h54

Yoga para a Vesícula Biliar

Yoga para a Vesícula Biliar

 

Asanas de torção são bons para espremer para fora a bílis e outros como o Setu Bandha Sarvangasana- restaurador- por exemplo, são estimulantes pois esticam o fígado e junto com ele a vesícula biliar.

Postura de Torção - Marichyasana III

 

Setu Bandha Sarvangasana

Por Sandro Bosco às 12h46

03/11/2008

Não busque o senso comum

Não busque o senso comum

Sandro, A respeito desse tópico ainda queria sugerir um outro tema que também é sobre expectativa. Toda vez que fazemos uma prova, um vestibular ou estamos em uma entrevista de trabalho, ficamos ansiosos pela expectativa de passar no vestibular ou de conseguir o emprego e ao mesmo tempo com o medo de não obter êxito. Essa expectativa de êxito e ao mesmo tempo o medo de fracassar é um grande desafio para mim como para a maioria das pessoas. Sandro, espero que goste da minha sugestão. Abraço
Elias   07/10/2008 21:01

-----------------  ------------------   --------------------   --------------------------  --------------------------------  ------------

Quando publiquei um post falando que “Atenção é vida” há quase um mês atrás o Elias postou a sugestão, no comentário acima, de que eu voltasse a falar mais sobre expectativas. Achei bom mesmo retornar a este tema porque ele é recorrente nas questões que levam ao yoga e na vida de todo mundo. Sempre leio e releio as palavras do mestre Zen, japonês, Sosan, pois lembrar é o começo do aprendizado.
Ele diz:

O Grande Caminho não é difícil àquele que não tem preferências.
.
Quando amor e ódio estão ambos ausentes tudo se torna claro e sem disfarces

A mente humana, padrão e habitual trabalha na esfera da ação e resultado. Ganhar e perder é o alicerce sólido para o sofrimento. São estas as bases das opções das expectativas humanas. Para o bom senso comum só um tonto faz algo sem esperar resultados. Porém você deve ter cuidado quanto ao bom senso comum. Muitas teorias bem fundamentadas e lógicas colocaram o planeta terra e com ele toda a sua população, por exemplo, na situação em que está. Se você quer paz interior não invista seu precioso tempo em debates que só vão nutrir o seu ego de orgulho ou envenená-lo com alguma miserável sensação de perda e derrota em qualquer discussão efêmera. Não sei mais se é um ditado ou o ensinamento de algum sábio Yogue que diz, “ Só vale a pena discutir com quem já está totalmente de  acordo com você”. Esta frase sintetiza o sentido de sangham, (reunião de yoguins para partilhar o aprendizado e as experiências no seu caminho do yoga e da meditação) aí sim você se  nutre com os que também estão se alimentando desta mesma fonte. A expectativa traz sofrimento. Quando você não tem preferências se vai acertar ou errar, este é o momento do “arqueiro zen”. Quando brota uma fagulha de desejo (ou expectativa) de acertar ele já perdeu, mesmo que a flecha acerte o alvo, ele já perdeu. Mas quando a flecha e o arco, o arqueiro e o alvo se tornam “um”, aí sim este é o momento alquímico e incondicionável. Isto é meditação, isto é transformação, isto é yoga, isto é o estado de unidade. Mais importante do que a ação é o estado interior que inspira a sua ação!

 

Por Sandro Bosco às 18h25

Postura que regula o ciclo menstrual

Postura que regula o ciclo menstrual

foto- R.Setton

 

PARSVA UPAVISHTAKONASANA

 

PARSVA significa “lado, oblíquo”

UPAVISHTA significa sentado.

KONA significa “ângulo”

 

 

Esta é uma variação de Upavishtakonasana, no link citado baixo você pode dar uma olhada na estrutura inicial deste asana:

http://blogdoyogue.blog.uol.com.br/arch2008-08-01_2008-08-15.html#2008_08-01_17_31_39-128477789-25.  No caso desta variação, com flexão frontal e lateral,  segura-se o pé direito com ambas as mãos, na inspiração alongue a cabeça e o tronco, na expiração vá descendo levando o queixo no joelho direito.

 

BENEFÍCIOS: Alonga os tendões das pernas, ajuda o sangue a circular por toda a região pélvica mantendo-a saudável.  Previne hérnia, alivia dor ciática.  Regula e controla o ciclo menstrual.

  

Fonte: Light on Yoga  - B.K.S. Iyengar -  Editora Harper Collins.

 

Por Sandro Bosco às 18h05

02/11/2008

Desapego ao Corpo

Desapego ao Corpo


Há umas semanas atrás soube que um amigo querido, um Bhakta Yogue – praticante do yoga devocional – o qual eu não via há muito tempo, estava com a saúde muito complicada. Antes de telefonar para marcar um encontro, minha mente trouxe a idéia de que ele precisava de apoio moral. Ofereceria aulas de asanas –posturas -restauradores enfim algo neste sentido. Tal não foi a minha surpresa quando perguntei  pelo telefone - “Como você está?”, reposta, “Estou ótimo”,eu disse. “Pois é uma amiga nossa me falou que você está com problemas de saúde” ele respondeu com o maior entusiasmo e desprendimento, “Ah sim, meu corpo pode não estar bem, mas eu estou ótimo”. E me descreveu sob todas as coisas que está realizando trabalho, palestras, etc ...  Dias depois eu o encontrei pessoalmente e vi os frutos do sadhana  - caminho ou prática espiritual - em uma pessoa que há décadas pratica yoga com devoção. Continua com o ânimo de estar aqui no momento presente e imerso na certeza da transitoriedade da alma. Deve-se cuidar do corpo, sim, mas os ensinamentos dos yogues nos alertam para não nos identificarmos com ele. Esta identificação gera apego e sofrimento. A medida que a atenção do yogue se aprofunda na descoberta de si mesmo, através da yoga da meditação e devoção, ele entende que não é este corpo, não é esta mente, não é estes órgãos de sentido e percepção, e sim que é a “Consciência Pura”, que não tem começo nem fim, que é eterna e que o corpo é o elemento temporário, uma morada transitória. Os textos sagrados explicam que ao renascermos tudo que foi alcançado como fruto das práticas yóguicas nas vidas anteriores temos nesta vida como méritos do sadhana. São frutos das austeridades que praticamos. Aprendi bastante com a espontânea sabedoria do velho amigo!

Por Sandro Bosco às 19h18

01/11/2008

Morada do Yoga

Morada do Yoga

 

 

 

 

 

 

Informações e inscrições:

http://www.yogadham.com.br

Por Sandro Bosco às 09h39

Sobre o autor

Sandro Bosco

Certificado internacional de Iyengar Yoga. Ensina e pratica yoga e meditação há mais de 40 anos, coordena a escola Yoga Dham. Neste blog compartilha regularmente todas estas experiências.

Histórico