Blog do Yogue

Busca

Sobre o blog

A idéia deste meu blog é trazer o mundo do yoga e da meditação mais perto do seu cotidiano.

Adoro responder e investigar sobre este assunto, pois é uma forma preciosa de conhecer mais este universo.

Este nome “blog do yogue” é porque vamos aproveitar a sabedoria de muitos e muitos yogues do passado e do presente para rechear e iluminar o nosso dia a dia. Yogue para quem não sabe é um sábio. E mais propriamente é aquele que chegou lá! Chegar lá no yoga é uma das muitas coisas a se saber...

29/05/2009

Estarei fora do ar.

Olá blogueiros do yogue

Estarei uma semaninha fora do ar, fora de São Paulo, sem computador e sem internet. Estarei sem postar durante estes dias.

Sugestão de coração :

 - Visitem as publicações do ano passado. Dê uma navegada neste passado do Blog do Yogue. Vale a pena.

Namastê.

Até breve!

Sandro

Por Sandro Bosco às 12h43

28/05/2009

Meditar deitado ou sentado?

COMENTÁRIO DO POST DE ONTEM - É possível parar a mente? 27/05/2009 18:01
Ola Sandro!! Acabando agora uma pratica meditativa me veio uma questão..já li muito dos benefícios físicos da pratica meditativa, mas como considerá-los reais quando a mente é tão agitada, mesmo em dias mais tranqüilos? Não seria melhor somente um shavasana?? namaste!! Daniel 28/05/2009 10:28

Resposta - Auto-reconhecimento é a chave!
Daniel, depende até aonde você considera os benefícios. Esta percepção de que a sua mente está agitada e que você pode fazer shavasana – postura do cadáver – já é não é um grande benefício? Esta é uma percepção interior de si mesmo que você adquiriu através da prática da meditação. Sugiro que você passe a dedicar alguns minutos após a meditação para escrever de forma despretensiosa um testemunho da sua prática de meditação. Faça isto sempre que meditar. Você pode se surpreender com a imensidão de coisas que percebe durante a meditação e não se dá conta porque depois elas se esvaem no profundo oceano da memória. É como um diário de bordo da sua viagem interior. Experimente!

Meditar sentado ou deitado?

Quanto ao shavasana é uma postura onde se adormece facilmente e assim você não vai diferenciar meditação de sono. Por esta razão os yogues nos orientam a sentar para meditar. Se você deitar em shavasana para dormir e acordar de manhã e estiver na mesmíssima posição sem ter se mexido, talvez possa ter a certeza de que não dormiu e sim meditou, mas isto não acontece pois entramos no sono e nele o corpo entra em movimentos e sonhos e aí não é meditação é kriya - movimento ou depuração.

SHAVASANA - shava - cadáver, asana - posição. Também conhecida como posição do corpo morto.


Por Sandro Bosco às 18h19

27/05/2009

É possível parar a mente?

 
 

É possível parar a mente?

Comentário no Blog do Yogue desta segunda feira


Olá Sandro, estava lendo um post do ano passado ("Demita sua mente")e fiquei me perguntando, quase que aflito, mas como fazer isso? Tenho praticado ásanas e meditação diariamente e parece que minha mente nunca foi tão evidente, tão barulhenta, tão inquieta. É impressionante a versatilidade e rapidez com que cria e desfaz realidades, e também é impressionante como eu acabo mordendo a isca e caindo em várias armadilhas dela. Em alguns momentos queria apenas desligar o botão. No início da aula do sábado desse último módulo, você ficou apenas em silêncio e enquanto toda a sala estava quieta, eu pulava por dentro, milhões de idéias, hipóteses, explicações...até que me ocorreu "eu estou aqui" e isso me aquietou. Sei que estou me transformando, mas as vezes me pergunto se estou no caminho certo. Namaste.
marcos f. taschetto  25/05/2009 09:55


Resposta do Blog do yogue

Marcos, que bom você descobriu o mantra que resolveu o momento da meditação. Você deu um "aqui  /agora" para a sua mente. Mantra em línguas antigas ou as línguas mães como são chamadas, e o sânscrito é uma delas, são ‘palavras de poder’. Mas toda palavra em qualquer língua contém  a matrika shakti, a energia mãe ou energia criadora de cada letra e que tem o poder de criar e transformar, construir ou destruir. 


A mente como instrumento

A mente é um instrumento do ego e o ego envolve o querer e a insatisfação de que algo não está completo, precisa-se sempre de algo mais para se sentir completo. Esta é a linguagem nem sempre revelada do ego. Na meditação isto pode apavorar o ego e que através da mente cria as armadilhas como você detectou. Mas... se você detectou as armadilhas eu te pergunto, quem detectou a armadilha?
A consciência! Pois ela, que não é o pensamento, é que pode detectar os pensamentos e as armadilhas. E aí você percebe a partir do trono do meditador e não do pensador.



Isto é o principio da meditação!
Os yogues explicam que manashakti ou energia mental é parte da energia universal ou  da infinita chitshakti, por isto é tão grande o poder da mente.
Um grande yogue de Maharashtra /Índia diz que “é mais fácil parar um oceano do que parar os pensamentos”. Mas a mente pensa por palavras e cria movimento através das palavras, por isto o alimento para a mente que leva ao estado de  meditação é a palavra, o mantra.  Por isto este como outros yogues ensinam o mantra para entrega da mente a sua origem: o silencio.


Voltando a sua experiência

Quando você disse com resolução “mas eu estou aqui”; isto foi a solução. Como sempre lembro que : meditação é como um relacionamento consigo mesmo ou se preferir: a com a sua consciência. Como todo relacionamento tem flutuações, tem humores, tem adaptações. A mais poderosa das qualidades para este relacionamento com alguém  tão especial que é  sua própria  consciência ( você mesmo) é amor,  dedicação e paciência.


 

Por Sandro Bosco às 18h01

26/05/2009

Posturas amigas

 
 

Posturas amigas

foto - R.Setton

Marichyasana III - postura em homenagem ao sábio Marichya


 

Benefícios - depois de flexões ou retro-flexões intensas ou prolongadas da coluna vertebral as posturas de torção da coluna são grandes aliadas e amigas. São muito bem indicadas pois suavizam a tensão intervertebral trazendo muitas vezes alivio imediato. Somam-se a estes benefícios a melhora: do fucionamento dos intestinos preguiçosos, das dores nas costas e quadril e as torções como esta,  também ajudam a reduzir o tamanho do abdomem.  


Por Sandro Bosco às 18h16

25/05/2009

Prática Yogue de domingo

 
 COMENTÁRIO do post entitulado:

 Um símbolo  de 21/05/2009



Sandro, recentemente tive um sonho, onde eu estava consciente do que fazia, e sentia as coisas de uma maneira diferente. Era minha casa, recebi a visita da minha melhor amiga...mas estava tudo tão claro, e eu feliz... A visão que vc descreve, é um símbolo. Para mim estes sonhos "atuantes" também são símbolos, indicativos de que estamos bem ativos enquanto dormimos! Agora eu pergunto, não corremos o risco de gostar demais destes momentos, de espaço interior?
Monica Leite
   22/05/2009


Resposta:

Monica, quando estamos coscientes do que sonhamos é a constatação da existência de uma "Consciência do Ser" que vai além dos sonhos e dos pensamentos. Li estes dias a reflexão de um sábio contemporâneo que diz que "se houvesse somente pensamentos dentro de nós não poderíamos ter consciencia deles". Logo, se temos consciência deles e dos sonhos podemos perceber ou pelo menos admitir que estamos conscientes deles à partir da "Consciência Testemunha", o atman.


Contribuição dos sábios yogues da antiguidade

Estudando todas as outras tradições do oriente e do ocidente, encontramos somente no Yoga esta menção à "testemunha interior" que é a qualidade ou atributo pleno do "Ser Interior"  e que  é a grande e diferente contribuição que o Yoga trouxe aos buscadores da verdade .

Esta prática de "testemunhar" eleva a sua prática do yoga pois este exercício do "puro observar' pode estar presente no yogasana -postura - ao encobrri e penetrar o corpo inteiro com a sua "atenção plena", pode ser praticado ao ouvir alguém numa conversa, ao comer um alimento, ao abraçar uma pessoa, ao contemplar a natureza do mar ou uma nuvem no céu.


Prática yogue de domingo

Ontem de manhã ao passear a pé em São Paulo, mostrava ao meu filho pequeno a beleza de uma rua que é repleta de várias árvores enormes e frondosas chamada "pau ferro", que tem um tronco cheio de nuâncias de cor e consistência da casca, naquele momento consegui ver e sentir ( e acredito que este era o estado que ele também estava e via) a árvore não como algo que eu classificava como uma planta, uma árvore, etc ... mas como algo vivo, pleno e sábio diante de mim, tão poderoso e imenso como um oceano. Esta observação me deixou mais alerta e tranquilo na minha caminhada, trazendo aquela sensação interior muito boa da existência indiferenciada. Obrigado pelo seu comentário. Sandro


 

Por Sandro Bosco às 10h40

23/05/2009

O que uma ida ao Rio não faz?

 


Ontem, sexta feira,  estive no Rio de Janeiro e fiz uma oficina de yoga com a norte americana, Rita Manouso, sobre problemas na coluna vertebral.

O que ocorre é que estas técnicas dão uma abordagem própria, uma auto-suficiência incrível de você corrigir e aliviar em si mesmo (ou em um aluno), desvios como escoliose e as dores na coluna na prática do yoga e daí por diante. 

Ao decolar do Rio, de volta a São Paulo, vi que tão lindo e magnífico como o Rio visto de cima, montanhas rochosas, praias e ilhas, é a possibilidade de você, com estes yogasanas  - posturas -  não se entrevar na acomodada situação de vítima das suas próprias dores nas costas.
Lembrei do grande Shakespeare que dá uma bela e sábia “yogada” quando diz:
“Nada existe de bom nem de mau, o pensamento é o que o torna assim.”


Será que  mesmo a dor física pode ser piorada ou melhorada pelo pensamento?
Lógico que sim!
A ciência da mente humana concluiu que as diferentes pessoas são mais e menos resistentes a dor.
Ou será a mente do ser humano é que determina se aquela dor é mais ou menos suportável?
Ou será que é a dor ou é a identificação com a dor?
Ou será que é a identificação com a opinião que tenho sobre a dor é que estabelece meu limite? ..........................  e os limites são auto-impostos?


 

Por Sandro Bosco às 20h19

21/05/2009

Um símbolo

"Os símbolos revelam velando e velam revelando."


G.Gurvitch


Vejo a lua, um espaço vazio de uma sala, uma criança brincando sozinha e entretida naquela pura fantasia, um raio de luz do sol de fora entrando entre a cortina da janela e a vejo com a curiosidade plena dos sentidos e o deslumbramento de algo sempre novo, entendo aquela figura, aquela imagem, como um símbolo.

Algo até então que poderia ser trivial, mas tornou-se pelos meus olhos algo inexplicável, que não precisa ser descrito nem compartilhado, muito menos adjetivado. Algo assim se torna um símbolo, percebido por algum espaço dentro de mim, bem longe da mente e bem perto dos olhos do coração.


 

Por Sandro Bosco às 18h14

20/05/2009

Otimizando em tempos de frio

 
 

O frio vem chegando
Nestes tempos de frio que se aproximam, os yogasanas ou melhor o corpo fica meio duro de manhã.  O praticante deve atentar para os fluidos sinoviais das articulações nas manhãs mais frias.



Solução
Posturas de pé, como trikonasana, parsvakonasana e outras são boas para os membros inferiores. Posturas como: adho mukha vrikshasana (parada de mão) e pincha mauyrasana para os membros superiores e coluna. Em praticantes com mais tempo de treino e prática os yogasanas feitos com saltos também são úteis para aquecer as articulações, como adho mukha svanasana para urdva mukha svanasana para uttanasana fazendo algumas vezes como um ciclo sem intervalo.


Aquecimento membros inferiores

 

 

TRIKONASANA  - posturas dos tres ângulos

 

 

PARSVAKONASANA - postura do ângulo lateral


Aquecimento dos membros superiores

PINCHA MAYURASANA - postura da cauda do pavão


Sequência  - as tres próximas posturas devem ser feitas sem parar, num movimento contínuo 

ADHO MUKHA SVANASANA -  posição do cachorro com o rosto para cima

URDVA MUKHA SANASANA - posição do cachorro com o rosto para cima


 

UTTANASANA - posição do alongamento interno (faça sem os blocos)


 

 

 

Por Sandro Bosco às 17h24

19/05/2009

Preparação para o rito da grande passagem

 
O Mestre Sem Móveis

Em busca de instrução, um jovem homem viajara muitos meses atrás de um grande mestre que lhe haviam indicado. Tinha a pele ressequida do sol, e os pés machucados de tanto caminhar, mais finalmente chegara à casa do grande sábio.
Para sua enorme surpresa, a casa do grande dignitário não era mais que um humilde casebre, com chão de terra batida. E dentro dele não havia um único móvel.
Apenas uma esteira servia de cama ao morador, estendida num canto da sala, e alguns livros.
O candidato não conteve a curiosidade e perguntou:
- Mestre, onde estão os teus móveis?
O mestre respondeu com outra pergunta:
- E os teus, onde estão? 
- Os meus? – estranhou o candidato. – mas eu só estou aqui de passagem.
E o mestre:
E eu também.


O yoga e a morte

Quando eu era jovem e li um dos meus primeiros livros de yoga, encontrei uma informação importante e bem diferente do que a mídia divulga hoje sobre yoga.
Dizia  o autor que “o yoga prepara o praticante para a morte” , “ a grande passagem”.
Fiquei impactado e atraído. No auge dos meus 15 anos, mesmo assim, achei que era algo que valia a pena me preparar  e se a prática do yoga servia para este fim ainda melhor.
‘Morrer em vida” como dizem algumas tradições orientais é o mais importante e diz respeito a morte do ego como obstáculo para uma visão pura do mundo a sua  volta, e assim ter uma experiência direta da realidade.


Por Sandro Bosco às 23h17

18/05/2009

Triste noticia

 

 

Triste noticia

Hoje às 12:58h recebi um email de um amigo da Índia com a triste noticia que outros milhares de praticantes de yoga do mundo todo também receberam. Às 06h00 da manhã de Brasília faleceu na India Yoga Guru Sri Pattabhi Jois.

http://www.kpjayi.org/.

Ele nasceu em uma lua cheia de julho em 1915, no sagrado dia do calendário hindu, o Guru Purnima ,em uma pequena vila no estado de Karnataka,  na Índia.

Ele ensinou  por 63 anos ininterruptamente o Ashtanga Yoga, o mesmo método que ele aprendeu em 1927 de seu renomado  guru Krishnamacharya  (o mesmo guru de B.K.S.Iyengar).

P. Jois ficou famoso pelo sistema de yoga que ensinou e popularizou nos cinco continentes..

Há muitos anos atrás conheci esta frase dele que me marcou pela simplicidade:

“Para ensinar yoga voce deve ter para com seus alunos: dedicação e paciência.”


 

 

Por Sandro Bosco às 22h40

15/05/2009

Ensinando como aprender

 
 

Ensinando como aprender

Queridos Visitantes desta Blogosfera do Yogue

Amanhã e depois tenho Curso de Formação de Professores de Yoga. São muitas horas de vôo ensinando,  a atmosfera é intensa de tapas "esforço sobre si mesmo. O fogo do Tapas ( já bem falado neste blog)  acende nos praticantes e no ambiente. Estou estudando e praticando neste momento. Parei um pouco para digitar estas letras e não deixar em branco nesta preciosa sexta feira esta fonte do blog do yogue. Nestes dois próximos dias aprendo yoga ensinando, ensino alunos a aprender e aprendo como ensinar. É uma imersão no yoga.  Deixo você com uma inspiradora frase do Sr.Iyengar

“A ioga é como a música. O ritmo do corpo, a melodia da mente e a harmonia da alma criam a sinfonia da vida.”

B. K. S. Iyengar

ASSISTA O VÍDEO DO CURSO DE FORMAÇÃO

http://www.youtube.com/watch?v=8O3_tYWJuAE&feature=related


FOTOS DO CURSO DE FORMAÇÃO


 


 

 


 


 

 

 

Por Sandro Bosco às 15h39

14/05/2009

O yoga em útima instância, papo cabeça!

 
 

O yoga em útima instância, papo cabeça!

"Todas as limitações são auto-impostas"
Não sei de quem é esta frase. Se você souber me conta. Vivo esta frase constantemente em sala de aula. O aluno me diz:
 -  Não consigo fazer este asana - postura -.

Numa condição ideal , eu digo:
 - Quem é este ‘você’ que não consegue? 
 - Não diga para mim ou para si mesmo que não consegue e nem que consegue. Não se sinta leve nem pesado, não se identifique nem com o mêdo nem com a coragem, apenas faça. Não rotule a sensação que te leva a achar alguma coisa em relação a sua capacidade física ou mental.
“Todas as limitações são auto impostas”.

Numa condição corriqueira eu digo:

 - Vamos esquecer a palavra 'conseguir' e vamos simplesmente fazer. Dê a você uma chance sem achar nada.


Há uma parábola Zen-budista que narra o seguinte diálogo:
 - Todas estas montanhas, todos estes rios, a própria terra, de onde vêm? - pergunta o discípulo.
E o mestre:
- E a tua pergunta, de onde vem?


 Pelo yoga dos rishis - sábios, videntes -  da antiguidade a orientação é que:
Se pela mente dual, do sim e do não, do gosto e do não gosto, do vou e não vou, do consigo e não consigo, que habita em você não é possível conseguir algo, ou partir para fazer algo ou simplesmente se entregar para algo; lembre-se: que você não sabe quem você realmente é.
Quem é você?
Sou um poeta, um médico, um professor, um viajante, sou um pai, sou uma filha ,um mendigo sou ... sou ... sou
Não. Estes são papéis assumidos não revelam realmente quem você é. Sim, escondem quem você é. Ofuscam a visão de quem você é. São nomes que a mente deu. Que a sua mente deu a partir da mente dos outros. São apenas identificações de natureza impermanente.
O yoga se pratica , em ultima instância, para conseguir conhecer este  - que sou eu mesmo - que não tem nome  mas tem substância.


 

Por Sandro Bosco às 17h01

13/05/2009

Stress - Conselho da vovó

 
 

Stress - Conselho da vovó

 

Minha vovó me dizia:
“Se você quer algo feito, peça para uma pessoa ocupada”.
Todos sabemos que se temos alguém entusiasmado ao lado temos alguém envolvido com o que está acontecendo e interessado em aprender coisas novas.
Swami Muktananda, renomado mestre de meditação, dizia: “Entusiasmo e energia são amigos úteis neste mundo”
Mas este entusiasmo é algo que se nasce com ou se adquiri?
Ambos corretos!
Falta de entusiasmo pode tornar você suscetível ao estresse. E excesso de estresse pode minar seu entusiasmo.



Escolha: estresse ou yoga?
Estresse hoje está relacionado com yoga ou vice-versa. Recebo inúmeros alunos por mês que vem encontrar paz ou saúde em meio a confusão interna causada pelo estresse.
Yogasanas – posturas – bem feitas devolvem o espaço e por assim dizer, a elasticidade diafragmática e com isto uma estrutura mais forte anti-estresse. Pranayamas – respiratórios-  dentro desta nova “casa” diafragmática criada pelos yogasanas,  conseguem finalmente respirar:  pro-fun-da-men-te.
Meditação equilibra  (cientificamente comprovado) a pressão arterial E pressão arterial alta, ainda é uma das causas principais de morte por estresse.



Ensinamento yogue
Por isto Yogues ensinam que yogasanas, pranayamas e meditação fortalecem o sistema nervoso.
Um sistema nervoso fortalecido, fortalece a mente e é assim um antídoto dos efeitos negativos do estresse.
Os pesquisadores da universidade  Harvard Dr. R. M. Yerkes e J.D. Dodson demonstraram que a medida que estresse e ansiedade aumentam, aumenta também o desempenho e a eficiência, mas não infinitamente. Se o estresse continua e cresce o desempenho e a eficiência começa a diminuir.



Desafio ou ameaça?
A questão da frase da vovó, é que algumas pessoas vêem situações de estresse como desafio e outras como ameaça. Isto é o que torna alguns mais ou menos resistentes aos efeitos negativos de estresse.
Mais uma vez é a atitude que manda!
Pratique yoga para sentir-se melhor e conseguir adquirir uma boa atitude para com você mesmo e depois para com o mundo. Cultive entusiasmo.
Como?
É como cultivar uma amizade.

Não é simples ?


Sábio yogues frisam nas escrituras que:
“Você se torna o que você pensa
”.


ADHO MULHA SVANASANA - posição do cão com o rosto voltado para baixo.

Feito com apoio para a cabeça ou testa este yogasana devolve abertura para o diafragma, facilitanto a respiração mais ampla e por consequencia um ótimo recurso psco- físico e antídoto para as situações de estresse.


 

 

Por Sandro Bosco às 09h36

11/05/2009

Os aeróbicos do yoga e a saúde cardio vascular

 
 

 

 


As aeróbicas

As flexões para trás são os aeróbicos do yoga. Apesar de crescer os batimentos cardíacos, o esforço é insignificante. Contudo estas retro-flexões necessitam da abertura do sternum. Se a coluna lombar é forçada,mais do que o que seria saudável para uma determinada pessoa, portanto hiper-estendida,  a coluna dorsal não abre tanto e aí o fluxo de sangue na aorta vai ser prejudicado. No viparita dandasana obtém-se também, além do efeito da retro-flexão, o efeito de um asana invertido.


Quais retroflexões?

Todas as retro-flexões podem ajudar a manter a força do fluxo sanguíneo na aorta e prevenir  perda da firmeza arterial a medida que se envelhece O músculo cardíaco também recebe um efeito de anti-envelhecimento.


 

 

Comparando com as invertidas

As posturas invertidas podem trazer um fluxo de sangue na aorta ainda maior que as retroflexões. Mas por outro lado as retroflexões podem ser benéficas pois produzem um efeito de tônus ou pressão arterial que as invertidas não tem. Solução para esta saúde cardio-vascular: praticar com regularidade os dois tipos de posturas.


 

foto - R.Setton

VIPARITA DANDASANA  - postura do bastão invertida

 

foto - R.Setton

Nesta modalidade do yogasana, da foto acima, encontramos uma variação simplificada,  com um grau menor de dificuldade e com efeitos semelhantes da anterior.

Por Sandro Bosco às 15h43

10/05/2009

Feliz Dia das Mães

foto - R.Setton 

ARDHA CHANDRASANA - postura da meia lua

Depoimento da minha aluna Clara Ramos (cineasta), que pratica yoga há vários anos comigo e manteve a regularidade nas aulas durante toda a gestação: 


 

Professor Sandro!

 Aproveito o ensejo para te agradecer por todo o apoio que você me deu durante a gravidez. É sério! Sem você e Sr. Iyengar este parto não tinha rolado de um jeito tão lindo. 

Ela nasceu pesando 4kg, de parto normal! Super saudável e foi uma foi uma alegria imensa para mim que divido aqui com vocês.

 A gestação é um período único na vida da mulher, que deve se preparar para mudanças importantes em sua vida.

A prática da Yoga favorece a relação mãe e filho.

Os benefícios são inúmeros: relaxamento, concentração, respiração e posturas adequadas para melhor conforto das pernas e coluna.

Na Escola Yoga Dham, as gestantes participam das aulas regulares que incluem as futuras mães. As gestantes receberão cuidados e orientações especiais na prática de todas as posturas.


Por Sandro Bosco às 10h50

09/05/2009

Lua cheia especial

 
 

 

Lua cheia
Já passa de meia noite mas ainda vibro as ondas de tranqüilidade e contentamento da comemoração do 101 aniversário lunar do grande Siddha Swami Muktananda (1908 – 1982) . Swami é como um monge, swa é um sufixo e significa "si mesmo". Muktananda significa o êxtase da liberação.



 A lua cheia de maio.
 Um grande sat sang – encontro de praticantes de mantra e meditação. Faz 25 anos que realizamos a primeira comemoração oficial em São Paulo do aniversário deste grande sábio, puro e iluminado.


O que é um Siddha Yogue?
 Estar na companhia de um mestre Siddha (siddha significa perfeição e aperfeiçoado) é transformador. Sua presença funciona como um emissor de ondas magnéticas, você é banhado pela imensa quantidade de prana – força vital  - que esta pessoa gera. É como um imenso aparelho eletrônico de irradiação. Só  que estas ondas energéticas são de amor e conhecimento. A mente silencia sem nenhum esforço contagiada pelo estado interior do mestre Siddha.



Anos 70
Em 1979 ao voltar de seu ashram escrevi uma carta convidando Swami Muktananda a conhecer o Brasil. Sua resposta continha  palavras carinhosas, acolhedoras e proféticas. Não disse que não viria, mas disse que eu envolvesse antes mais pessoas na prática do mantra e da meditação no Brasil. Os anos passaram e suas palavras foram férteis e visionárias. Uma comunidade de meditadores se formou naturalmente no Brasil com a vinda de mais e mais praticantes que o conheceram lá fora. Palavras de um Siddha que tem o poder vivo da criação. Seu comando é um sankalpa – vontade infinita - .



Gratidão
Devo a Muktananda este fenômeno interior de transformação que é a prática da meditação. Comecei conhecendo a mente que está além da mente. A mente silenciosa, que pensa sem pensamentos que compreende sem a razão. A mente que é consciente de si mesma. Aí percebi que não poderia ser chamada de mente pois de fato é um mar de pura consciência. Porque é mais quieta que uma caverna profunda, é pura consciência. Tão tranqüila como a superfície de um lago sereno. Ela se dissolve em meditação no seio do coração e passa a se chamar -  chit shakti. Obrigado Baba Muktananda, a você as minhas mais profundas reverências.


Em seu livro "Eu sou Isto" Muktananda diz:

 - Enquanto você tem o sentimento de dualidade, o sentimento que um ser humano é diferente do outro, que uma classe é distinta de outra, não poderá experimentar a felicidade verdadeira. O sentido do "outro' é a fonte de todo o temor, de todo sofrimento e de todos os pecados.


 Veja link ao lado  - Baba Muktananda na América 1970.


Por Sandro Bosco às 01h21

07/05/2009

Meditação -acesso aos mundos interiores

DHYANA SANGHAM - Encontro da meditação - hoje tem meditação no Yoga Dham (www.yogadham.com.br) 

 

 

COMENTÁRIO da visitante Daniela

Se nos átomos existem mundos e mundos e se somos formados por eles...imagine quantos mundos somos!!! Concordo com você, só através da meditação consigo compreender melhor os micros e macros conceitos do Universo!! Parabéns pelo blog! Daniela
Daniela Oliveira   04/05/2009 10:33



Resposta:


Daniela, a meditação é mesmo o grande veículo. Sinto isto mesmo que somos inúmeros mundos interiores. Somos um novo universo a cada novo pensamento. Criamos um universo a cada meditação e assim entramos em contato com um universo mais profundo. No Shivaísmo do norte da India é dito que o universo não existe sem a nossa percepção dele. Somos criadores dos próprios universos. Obrigado pelo seu comentário. Sandro

Por Sandro Bosco às 08h29

06/05/2009

Sabedoria yogue

 
 

Sabedoria yogue

Hoje de manhã enquanto dirigia o carro até o dentista, ouvi no rádio a psicanalista que (não consegui guardar o nome) citando Lacan : “É mais fácil mal dizer a vida e é mais difícil bem dizer a vida.”

Isto me remete a facilidade dos humanos de se vitimizarem dos diversos segmentos do mundo a sua volta. O humano comum ou desatento, pode usar a camiseta com o dizer: - Criar um algoz é comigo mesmo!

 Isto me remete a facilidade dos humanos de esquecerem-se facilmente da possibilidade de ser autor do seu próprio destino.

Consciente ou não atraímos para nós o bem e o mal?

Obviamente que sim: se você vê o mundo como o inferno só verá nele demônios que serão os habitantes, autores ou no mínimo co-autores do seu inferno. Se você vê o mundo como o céu ou pelo menos um oceano de possibilidades de fazer o bem e viver o bem, pode ser mais difícil, mas, o desfrute disto, é seu mesmo.

Yogues e sábios yogues das escrituras disseram e dizem:

“O mundo é como você o vê”

Hoje li a frase que diz que mares tranqüilos não formam marujos experientes. Associei alguma coisa ao experiente Sr. Lacan e me recordei do meu mestre Willie Wrtz que me metaforeou nos meus ouvidos nos anos 70:

 - Se você está com a vida muito tranqüila e muito pacata (e nenhum ventinho agita seus mares), talvez é hora de você se preocupar, talvez Deus tenha desistido de você.


 

 

Se você vê o mundo como o céu ou pelo menos um oceano de possibilidades de fazer o bem e viver o bem pode ser mais difícil, mas, o desfrute disto, é seu mesmo.

Por Sandro Bosco às 18h21

04/05/2009

A resolução no yoga.

 
 

A resolução no yoga.

Existem muitas possibilidades no yoga mas tudo muda quando você toma uma “resolução”. Eu sei que se você é um aluno novo e começou meio sem saber porque este assunto não se encaixa no seu roteiro, mas ... ,mesmo assim, se você parar para lembrar ou sentir o que é que motiva você a continuar e voltar para a aula do seu professor(a) toda semana você pode encontrar algo e firmar em cima deste “algo” uma resolução. Uma resolução em cima de algo dirige melhor a sua energia. Aquela energia que realiza coisas e alcança conquistas interiores e exteriores. Quando comecei a praticar yoga não sabia muito por que, simplesmente um amigo, lá pelos meus 15 para 16 anos de idade, me disse que a irmã dele havia começado a fazer aulas de yoga (era Hatha Yoga) e se eu não queria ir com ele.

Fui.

Sem perceber 05 meses passaram e me curei de um problema de saúde crônico que já durava 05 anos e que já havia feito meus pais tentarem todo tipo de tratamento. Era uma disfunção de ordem psicossomática que descobri anos depois. Mas quando percebi meses depois que eu tinha devagarzinho me curado passei a dar um valor maior as aulas e com isto construir uma resolução de continuar e não parar mais.


ARDHA HALASANA - meia postura do arado.

Este foi um dos asanas que na época que eu comecei, mesmo fazendo sem estes acessorios caracterísitcos do Iyengar Yoga, me ajudaram muito no processo de cura.

Por Sandro Bosco às 18h23

02/05/2009

Dia do Trabalho e o Karma Yoga

Karma Yoga - karma, que comentei esta semana neste blog, tem também o significado de "yoga da ação". No Bhagavad Gita, um épico hindu dos mais conhecidos, lidos e comentados no oriente e ocidente, o Sr. Krshna ensina a seu díscipulo e guerreiro Arjuna, que temos direito a ação mas não temos direito ao fruto da ação. Isto acrescenta ao termo Karma Yoga  o entendimento do "Yoga da ação desinteressada" ou trabalho altruísta.

Ao realizar um trabalho, como podemos fazê-lo com o máximo esmero e dedicação, sem expectativa dos seus resultados?

A resposta está na prática. Quando você busca , por exemplo, reconhecimento e mérito no trabalho e na ação e não os obtém, isto leva ao sofrimento.  É o sofrimento do apego aos resultados da ação.

O célebre sábio yogue  indiano Swami Muktananda Paramahamsa que trouxe ao ocidente a Meditação Siddha Yoga, recorria aos versos de um poema, "nadiye napiye": "Assim como a árvore não come seus próprios frutos, assim como o rio não bebe sua própria água, o verdadeiro sábio não tem para si os frutos da sua ação."


Meu eterno agradecimento a Swami Muktananda pela constante fonte de inspiração interior neste blog do yogue.


Por Sandro Bosco às 11h50

Obrigado por todas as mensagens!

ANIVERSÁRIO DO BLOG DO YOGUE: 1 ANO!!!  30/04/2009 08:33

Namastê! Tenho visitado o blog com regularidade e gosto muito! Parabéns pelo aniversário do blog!
AlineFonseca  30/04/2009 20:49


 

Happy Anniversary!! E como mensagem quero citar Roberto Crema. 'Ninguém muda ninguém; Ninguém muda sozinho; Nós mudamos nos encontros. Simples, mas profundo, preciso. É nos relacionamentos que nos transformamos. Somos transformados a partir dos encontros, desde que estejamos abertos e livres para sermos impactados pela idéia e sentimento do outro". Namaste
Eliana  30/04/2009 21:38


 

Muito Obrigado..Muito Obrigado..Muito Obrigado...Você é muito especial!!
Tiago 01/05/2009 09:42


 

Olá, Sandro, fui seu aluno entre 2001 e 2002. Suas aulas foram fundamentais em minha passagem por SP. Aqui do Ceará vai namastê! pelo aniversário do blog.
Paulo Mota  01/05/2009 22:07


 

 

Por Sandro Bosco às 11h34

Sobre o autor

Sandro Bosco

Certificado internacional de Iyengar Yoga. Ensina e pratica yoga e meditação há mais de 40 anos, coordena a escola Yoga Dham. Neste blog compartilha regularmente todas estas experiências.

Histórico