Blog do Yogue

Busca

Sobre o blog

A idéia deste meu blog é trazer o mundo do yoga e da meditação mais perto do seu cotidiano.

Adoro responder e investigar sobre este assunto, pois é uma forma preciosa de conhecer mais este universo.

Este nome “blog do yogue” é porque vamos aproveitar a sabedoria de muitos e muitos yogues do passado e do presente para rechear e iluminar o nosso dia a dia. Yogue para quem não sabe é um sábio. E mais propriamente é aquele que chegou lá! Chegar lá no yoga é uma das muitas coisas a se saber...

30/09/2009

Humildade

 29/09/2009 17:47
Comentario do  post de ontem - Muita luz na sua passagem!
Caro Sandro e leitores do blog, foi realmente uma grande perda (falecimento do Prof. Shimada). Tive a oportunidade de ficar a seu lado durante um dia todo no curso que estou fazendo,o que mais me chamou a atenção era seu interesse em aprender, em continuar aprendendo, no intervalo eu perguntei, pois ele sendo professor a tanto tempo ainda estava lá assistindo as aulas antes dele dar a dele, ele respondeu que era um "eterno aprendiz", isso me ficou marcado, sua humildade e grande bom humor e respeito pelos que ensinavam. Que aonde ele estiver ele continue conosco neste caminho do yoga. Beatriz.
maria beatriz |  30/09/2009 07:44


Aproveito para incluir aqui os comentários de Sua Divina Graça A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada sobre humildade ao comentar o Bhagavad Gita.

"Humildade significa não estar ansioso em obter satisfação pelo reconhecimento dos outros. A concepção material da vida nos deixa muito ansiosos em ser honrado pelos outros mas do ponto de vista de uma pessoa de conhecimento perfeito – aquele que sabe que não é este corpo - qualquer coisa, honra ou desonra,  pertencem apenas a este corpo efêmero. Você não deve ater-se a esta decepção material. "


 

Por Sandro Bosco às 16h48

29/09/2009

Muita luz na sua passagem!

 
 

Hoje faleceu um dos primeiros professores de yoga da cidade de São Paulo, o prof. Shimada. Ele tinha 80 anos e dirigia sua escola na rua da Consolação desde 1958.
Que as bençãos da luz divina o assista e o proteja nesta passagem.
Namastê


Por Sandro Bosco às 17h47

28/09/2009

Ecos do retiro: silenciando a mente ...

 
 Sandro,
Adorei ter ido ao retiro!
Tive várias experiencias inesperadas justamente porque a mente e o corpo estavam em silêncio.
Ao fazer uma caminhada sozinha pelo bosque vi dois esquilos numa árvore e fui me aproximando devagar e fiquei observando-os; para minha surpresa, eles não fugiram. Senti que eles não se sentiram ameaçados e foi uma sensação ótima de estar tão conectada com a natureza.
Durante a última meditação vislumbrei Lorde Ganesha e a luz ficou mais intensa e mergulhei na luz!
Voltei com um sentimento de caminho livre, sem obstáculos!
Obrigada mais uma vez!
Namastê,
Eliana Abdo.

RETIRO - Prática de yogasanas.


 

 RETIRO - Prática de yogasanas.


Por Sandro Bosco às 21h54

Workshop de Posturas Invertidas

 
 

Workshop de Posturas Invertidas

Dia 02 de outubro, das 18h30 às 21h30

Inscrições e mais informações no www.yogadham.com.br ou pelo

tel. : 11 3875 1079

 

 

Por Sandro Bosco às 11h50

25/09/2009

Joelhos e quadril fortaleça-os com Yoga

Supta (parsva) padangushtasana II - Excelente postura para abrir e fortalecer a articulação coxa quadril e importante para os joelhos como preparação para os yogasanas.
Significado – supta – deitado; parsva –flanco lado; padanguhshta – grande artelho .
Execução – feito em dupla é importante que a ajuda seja dada no sentido de segurar a coxa anterior para dentro, para escorar o lado oposto do quadril na direção do chão.

Por Sandro Bosco às 08h56

24/09/2009

Yoga - gostinho de unidade

 
Somos um ser social também na prática de yoga. Muito se aprende praticando yogasanas em grupo. Aprende-se a poder olhar a outra pessoa na postura e corrigir-se sem sentir-se melhor ou pior sem compara-se e este é um grande aprendizado. Aprende-se a perceber que aquela postura que você tem dificuldade o outro tem facilidade e vice-versa e este é um aspecto bem didático da prática em grupo, no entanto, ainda entre todos, é um aspecto bem externo. Por mais que o mundo ocidental encare yoga como exercício físico, yoga não é exercício físico. A postura é no final das contas um instrumento para interiorizar-se e perceber a unidade onde existe dualidade. A dualidade mais tangível e inicial que se percebe pela prática do yoga está entre a mente e o corpo e iesta percepção se dá pela expansão da consciência. Esta expansão tem o gosto da unidade. No final de uma aula você deve sentir este gostinho. A mente, o corpo e o coração: uma coisa só.
Amanhã no retiro teremos além das práticas em grupo a conivência sadia de 02 dias, uma oferenda profunda da mente e do corpo à unidade do yoga.


Saiba mais sobre o retiro deste fim de semana a 30 minutos de São Paulo: http://tinyurl.com/nh732b

Fotos, perguntas mais frequentes, programações ...


Praticar em grupo  - aprender a não se comparar,  não sentir-se melhor nem pior. Abandonar este tipo de dualidade da mente leva à experiência interior do yoga.


Por Sandro Bosco às 22h35

23/09/2009

Porto seguro

 

Eu tenho um porto seguro que é o momento entre duas respirações. Em dhyanasana - postura de meditação - todas as manhãs, encontro aí um pranayama  - controle natural da respiração -  que silencia a minha mente . Eu tenho um espaço de estabilidade e de um doce silêncio entre duas respirações. Eu o chamo de kumbhaka natural. Este porto, é um mar muito calmo, como uma grande baía, mesmo quando em alto mar, lá fora, tenha altas ondas e tempestades. O yoga me mostra a grande distância entre a confusão lá fora e a clareza e quietude deste porto seguro lá dentro de mim.


VENHA PARA RETIRO ESTE FINAL DE SEMANA - MAIS INFORMAÇÕES - http://tinyurl.com/nh732b


Por Sandro Bosco às 14h35

22/09/2009

Meditação e Yoga para silenciar o corpo

 
 

Meditação e Yoga para silenciar o corpo

Em restaurantes e locais públicos observo como algumas pessoas estão com aparência calma na parte do corpo que está visível acima da linha da mesa e abaixo tem uma perna movimentando sem parar... ansiedade. A mente que está agitada reflete em alguma parte do corpo.
Quando você através de alguns yogasanas – posturas – experimenta e aprende  a parar os pequenos movimentos, aqueles cacoetes do corpo, você vai silenciando a mente . O corpo inquieto é como uma boca que não para de tagarelar,  gasta energia a toa. Estar em um retiro permite que isto ocorra de forma muito natural e intensa. O silencio do corpo e da mente  vem com a  entrega deste presente que você escolheu para si mesmo para o fim de semana.


Saiba mais sobre o retiro deste fim de semana: http://tinyurl.com/nh732b


 


Por Sandro Bosco às 14h00

Retiro de Yoga e Meditação

 
 

Retiro de Yoga e Meditação

Por Sandro Bosco às 12h56

21/09/2009

Viver ou existir?

 
Conta uma lenda que o anjo da morte  encontra o Sr. Buda  e por causa de seus méritos espirituais lhe perguntou quantos anos ele ainda queria  viver. O Sr. Buda respondeu: 08 anos, e o anjo se foi. Seus devotos e seguidores reclamaram: por que sua santidade não pediu mil anos? O Sr.Buda explicou:
 - Uma coisa é viver a outra é existir.
 E você, viver ou existir?


 

Por Sandro Bosco às 23h10

20/09/2009

Leia meus tweets

http://twitter.com/sandrobosco


 

Retiro no próximo final de semana!!!

Para saber mais visite sobre o retiro– www.yogadham.com.br -

Vagas limitadas!

 


 

 

 

 

 

 

Por Sandro Bosco às 22h49

Retiro de yoga: eu vou!

Morei alguns meses em vários ashrams (comunidades de praticantes de yoga ou a casa do Guru) e a minha experiência foi todas as vezes inesquecível.
Aí criei os retiros que venho coordenando desde 1975. Os retiros seguem a rotina de ashrams com um programa de atividades e horários que talvez seja tão antigo quanto os próprios Vedas.
Os retiros tem tido duas faces para mim. Uma prática, tangível, outra misteriosa, inexplicável. O último retiro por exemplo não estava bem fisicamente e passei muito mal na manhã do segundo dia, nunca havia me acontecido isto mas me mostrou algo preciosíssimo . Havia feito uma cirurgia há duas semanas atrás e tive em função disto uma recaída que mal conseguia sair do quarto e não saí, só mais tarde. Havia uma professora aluna minha que me ajudou naquela hora e me substituiu. Para resumir no final do retiro fizemos um grande círculo de pessoas onde cada um contou sua experiência. Foi tocante para todos ouvir o nível de sensibilidade e transformação e descobertas pessoais que havíamos chegado a partir da prática de yoga, meditação e estudos. O fato de estarmos, como num ashram, juntos,  por dois dias com a mesma meta: unidade interior que traz paz interior, acalmar a mente, re-energizar-se, enfim cada um almejava algo as vezes diferente mas de fundo comum.  Entendi o quanto o retiro independia de mim e o quanto aquela reunião e convivência de dois dias praticando e que os yogues chamam de sangham  era poderosa. Eu organizei, dei aulas, palestras,  mas entendi com esta experiência que fui um mero facilitador de uma energia consciente chamada chit shakti!
Eu vou ao retiro do próximo fim de semana, a energia que nos mobiliza é preciosa!


Para saber mais visite sobre o retiro– www.yogadham.com.br -

Vagas limitadas!


 

Por Sandro Bosco às 19h27

17/09/2009

SILENCIE A MENTE SILENCIANDO O CORPO

 
 

SILENCIE A MENTE SILENCIANDO O CORPO

Por Sandro Bosco às 13h43

Tontura e vertigem: Yoga ajuda?

Um aluno me perguntou se yoga pode tratar tontura ou vertigem.
A prática dos yogasanas pode sim fazer melhorar, no entanto é importante verificar a causa pois a cada caso um caminho.  A causa pode ser nos ouvidos, olhos ou cérebro. Sabe-se também que variação da taxa de açúcar e pressão arterial, ansiedade, ritmo da pulsação cardíaca, prolapso da vávula mitral, também pode ocasionar tontura e vertigem.
Este aluno sentia tontura tão somente quando voltava de posturas como uttanasana e prasarita padotansana. Nestes casos deve-se voltar da postura ou seja trazendo o tronco para cima o mais lento possível.



PRASARITA PADOTTANASANA - prasarita significa expansão; pada ou pado, podemos traduzir por pé , base; e uttanasana postura com alongamento intenso.


CONVITE - Retiro de Yoga e Meditação com Sandro Bosco


Tema: "Silencie a mente silenciando o Corpo" -


Local -  40 minutos de São Paulo, dias 25, 26 e 27 de setembro.


Saiba mais, visite  - www.yogadham.com.br
http://www.yogadham.com.br/OBJ/prodView.asp?idProduct=78&P=retiro+de+yoga


Por Sandro Bosco às 09h18

16/09/2009

No caminho do yoga cuide da sua vida que é melhor!

 
 

No caminho do yoga cuide da sua vida que é melhor!

 

 

 

Era uma vez ...

 

 

... dois monges que caminhavam por uma trilha em um bosque e quando se aproximaram de um riacho encontraram uma mulher linda e exuberante parada  na margem, imaginando como iria atravessa-lo. Um dos dois monges nem hesitou e perguntando com naturalidade se poderia ajuda-la pegou-a no colo e atravessou o riacho. Na outra margem os monges seguiram um caminho e a mulher outro. Mais uma hora de caminhada até que estes chegassem ao mosteiro onde viviam. A manhã  e a tarde se passaram e a noite o monge que não havia ajudado a mulher, não resistiu mais, chamou seu colega de lado e  recriminando - o disse:
 - “Como é que você um monge que fez voto de celibato, pode tocar e carregar naquela mulher  nos braços hoje pela manhã no riacho?” Ao que ele respondeu com naturalidade:
  - "Eu carreguei ela somente para atravessar o riacho, você está carregando-a até agora."


 

É assim que nossos insistentes e incansáveis julgamentos tornam nossa mente exausta e nossa vida ocupada com idiotices desnecessárias.
Neste final de semana lembrei os alunos do curso de formação de professores o quanto é importante para evoluirmos no yoga, focarmos nossa atenção em nós mesmos. Nossa mente está sempre divergindo do foco e propósito da vida ou da sua meta no yoga, com fofocas e considerações da vida dos outros. Com comparações e críticas que só retardam o progresso no yoga e na meditação . Lembrei dos ensinamentos do santo yogue , Sri Ramakrshina de Calcutá , Índia, que dizia que se a energia  - prana - que você gasta falando ou pensando na vida e nas ações dos outros você concentrasse em si mesmo, seria o suficiente para você se iluminar nesta vida, nesta encarnação.


Atenção - Retiro de Yoga e Meditação com Sandro Bosco - tema - "Silencie a mente silenciando o corpo" - 25 a 27 de setembro - a 40 minutos de São Paulo - Vagas Limitadas - informe-se - http://www.yogadham.com.br/OBJ/prodView.asp?idProduct=78&P=retiro+de+yoga


Por Sandro Bosco às 09h16

15/09/2009

Diversos níveis de consciência

 Este fim de semana tivemos no Yoga Dham o workshop sobre posturas e ajustes do corpo para alongar melhor a coluna lombar e tivemos  Curso de Formação de Professores. Foi rico perceber as diferentes experiências que os alunos me trouxeram da prática dos pranayamas - exercícios de respiração – de perceber os diferentes níveis de consciência de si mesmo. Decorrente da prática dos asanas  - posturas - um aluno me contou o quanto esta prática estava forte, fisicamente falando, mas ao mesmo tempo de uma profundidade sutil. Falamos nas aulas de pratyahara ,quando os órgãos de sentido se voltam para dentro, na prática de yoga  e são absorvidos no reino da consciência interior, há então uma satisfação maior e mais duradoura. Incessantemente nossos órgãos de percepção são atraídos para fora e nos levam a nos identificarmos com os objetos do mundo exterior. Esta identificação nos faz atraídos por estes objetos pois cremos serem reais e não o são pois não são permanentes são efêmeros. Ao contrário, através da yoga,  em pratyahara, percebemos a existência também do mundo interior aonde somente lá encontramos plenamente a satisfação e a felicidade.
 

 

                                                                                                               foto - Joyce D'amore


NADI SODHANA PRANAYAMA - nadi significa um orgão tubular ou  canal de passagem da energia cósmica bem como outros tipos, seminal , vital, no corpo humano; sodhana significa purificar ou limpar. O termo composto significa purificação dos nervos.

Por Sandro Bosco às 09h01

11/09/2009

Asanas e manobras para Lombar

 
 

Asanas e manobras para Lombar

Por Sandro Bosco às 10h55

Hoje - Yoga para dores lombares

 
 

Hoje - Yoga para dores lombares

 

Hoje estou trabalhando em um workshop com yogasanas sobre a coluna lombar. Não raro os praticantes de yoga encontram limitações nas posturas de extensões da coluna.
No nosso dia a dia utilizamos comumente as flexões para a frente e torções do tronco envolvendo a coluna mas não utilizamos as flexões para trás, talvez, exceto quando estamos nos espreguiçando. No entanto tenho dito aqui no blog do yogue o quanto importante e benéfica são as flexões para trás.


Importância das extensões da coluna

Haja  visto que com o tempo o corpo humano vai se curvando para a frente. Vemos isso em idosos e mesmo em jovens e adultos com má postura. Não fosse somente as dores no  ombros, escápulas e pescoço, isto enrijece os músculos ligados a coluna toráxica e coração. A coluna para manter-se sadia e jovem deve flexionar também com regularidade  para trás. E como fazer isto evitando as dores?
 A resposta da pergunta veremos hoje a noite no Yoga Dham em São Paulo bem como veremos como reduzir as dores na região lombar.


USHTRASANA - significa postura do camelo


Fato ocorrido em sala de aula.
Anos atrás estava dando um workshop em Campinas e verifiquei que uma aluna de 60 e poucos anos não estava fazendo uma postura para trás, ushtrasana a posição do camelo (foto acima) . Quando a questionei fiquei sabendo que era professora de yoga, e a convidei se  não gostaria de fazer o ushtrasana. Ela me respondeu que  não fazia aquela postura há mais de 08 anos por causa da dor na lombar e conseqüentemente não ensinava direito para os seus alunos. Mostrei a ela alguns  poucos recursos, do método Iyengar, de algumas ações musculares, que a levaram a um alinhamento interno e  ela conseguiu na hora faze-la sem dor. Seus olhos me miraram espantados e depois gratos


Por Sandro Bosco às 09h38

09/09/2009

India: solidariedade sem discriminação

 

Quero saber quando esta novela na TV da Índia vai acabar? Deve ter muita informação sem pé nem cabeça sobre a India.
Por ser professor de Yoga e já ter ido várias vezes a Índia volta e meia sou questionado das coisas mais estranhas sobre seus usos e costumes.
Hoje li este trecho do escritor uruguaio que pelo que percebi serve para os conhecedores da Índia confundidos   pela novela.
Mostra um aspecto humano daquela cultura.

 


 Image: Mumbai train.

 


“Os trens de Bombaim, que transportam seis milhões de passageiros por dia, violam as leis da física: neles entram muito mais passageiros que os passageiros que neles cabem. Suketu Mehta, que sabe dessas viagens impossíveis, conta que depois que parte cada trem lotadíssimo, há gente que o persegue correndo. Quem perde o trem perde o emprego,
E então, dos vagões brotam braços, braços, braços que saem pelas janelas ou pendem dos tetos, e ajudam os relegados a subir. Esses braços do trem não perguntam ao que chega correndo se é estrangeiro ou nascido aqui, nem perguntam que língua fala, nem se acredita em Brahma ou em Alá, em Buda ou em Jesus, nem perguntam a que casta pertence, ou se é de casta maldita, ou de casta alguma.”  Eduardo Galeano – Espelhos -

 

 

 

 

Por Sandro Bosco às 17h42

08/09/2009

O conhecimento de Si próprio.

“Seria mais fácil enrolar o céu com um paninho,
do que obter a verdadeira felicidade
 sem o conhecimento de Si próprio.”
UPANISHADS


 Na continuação da reflexão do post  de ontem temos este valiosos ensinamento dos sábios yogues da floresta ta Índia antiga que escreveram os Upanishads.



Uma vez uma aluna me trouxe a pergunta se “conhecer a si próprio”, como prega o Yoga, se fazia através de terapia? 


Uma vez uma professora de filosofia da minha escola estava na Índia conversando com uma swami (monja) muito sábia que lhe alertou que para ensinar os Yoga Sutras de Patanjali não se pode fazer como um método de  uma especulação intelectual e não está no âmbito de um aprofundamento dialético do aforismo de Sri Patanjali.



Conhecer a si próprio passa pelo espaço onde você conhece seus impulsos condicionados, as entranhas do seu caráter e personalidade, mas o auto-conhecimento que se obtém pela prática da meditação e do yoga é a descoberta e o convívio com  a luz da consciência  - chaitanya prakash - . Esta luz nos dá o poder de testemunhar nossos próprios pensamentos e  emoções e perceber que não somos os pensamentos. Quando eu percebo que não sou os pensamentos este “eu” que percebe e que  pode dizer isto, se revela como a própria luz da consciência  - chaitanya prakash -  e é ela que ilumina e me dá o poder de enxergar, sem os olhos, do que é feito meu Ser interior. É quando o praticante vive o primeiro ensinamento  de Sri Patanjali – “Yoga é a parada das ondas mentais (pensamentos)”.


 

Por Sandro Bosco às 18h16

07/09/2009

O que é a meditação?

 
 

O que é a meditação?

Contentamento: fundamental no yoga  02/09/2009 18:05
COMENTÁRIO DO POST DE 02 DE FEVEREIRO

Oi Sandro, Toda vez que eu acordo eu sinto exatamente como você descreveu no post e depois de um tempo os pensamentos invadem e essa sensação suave de tranquilidade plena passa. O objetivo da meditação é justamente atingir essa sensação, mas de maneira consciente? Abraços
Elias |  02/09/2009 21:40


Elias demorei para responder seu comentário pois queria publicá-lo. Sua pergunta sobre o objetivo da meditação é interessante, é rica porque vem da sua experiência.
Algumas pessoas meditam porque a saúde melhora, pois a prática, por exemplo, reduz os sintomas negativos do estresse, melhora a pressão arterial alta e outros benefícios também ocorrem. Contudo mais cedo ou mais tarde se você persevera, a meditação traz algumas percepções de um universo que podemos chamar de espiritual. Por que espiritual? Espiritual porque está além da compreensão mental do mundo das pessoas e da natureza que nos cerca. Esta além das religiões porque independe se você é adepto de alguma religião ou se você é ateu. É a descoberta e vivência em um universo interno que pode e deve ser traduzido em palavras mas nem sempre traduz a experiência vivida na meditação mas ao menos nos aproxima do entendimento e constatação deste mundo interior. A verdadeira meta da meditação portanto é conhecer nossa verdadeira natureza, nosso ser interior, que é a nossa própria consciência. No yoga chamamos deste Ser interior de atma ou “o testemunho”, que como você descreve, é aquele que pode perceber o estado sem pensamentos, por exemplo, quando você acorda e testemunhar o que está ocorrendo dentro e fora de você e que não é o pensamento. Obrigado pelo seu comentário.


 

 

 

Por Sandro Bosco às 15h53

04/09/2009

Inclua o contentamento na prática das posturas

 
 

Continuando contente o tema do "contentamento".

Sri Maharish Patanjali o grande sábio indiano (260 a. C.), em seu indispensável livro Yoga Sutras ele inclui em seus ensinamentos o contentamento –santosha-.
Ele  ensina no seu decálogo como um dos princípios para se evoluir no caminho do Yoga  e alcançar a meta suprema.



O que é evoluir no yoga?

Uma das muitas definições:
Tornar-se mais respeitoso,  tolerante e mais humano com outros seres humanos com animais e com o planeta.
Sustentar uma atitude construtiva e respeitosa com a sua vida e a de todos outros. Tornar-se mais presente em tudo oque você faz.


 

O que é a meta suprema?
Esta é ampla e tão grande quanto o universo.
Uma resposta mais técnica, mais poética, mais psicológica?
Podemos  descrever moksha (libertação) a meta suprema, a emancipação dos limites da condição humana como:
A perda da dualidade, não existe mais meu ou seu, nem corpo e mente, a visão afasta-se organicamente de ver  e entender o mundo sobre o prisma de eles e nós, eu e o planeta, ontem e manhã.  Brota uma percepção e sabedoria de sentir o élan vital que envolve a tudo e a todos. Esta nova percepção da vida, dos seres e do mundo é impregnada de um amor, o amor incondicional.



Um sábio descreveu poéticamente o estato interior da meta suprema: “ Quando a energia de Kundalini desperta (esta energia interior quando desperta é parte principal deste processo) há uma luz mais forte do que a luz de mil sóis.”
Há um êxtase suave e permanente, na bôca, na pele, nos olhos, nos movimentos, tanto na percepção quanto na ação (jnanaindiyas e karmaendriyas)


Santosha - Quando você pratica asanas você tem investido em criar e sustentar um estado interior de contentamento?

Gomukahsana

tradução - postura do cabeça da vaca.

benefícios - Esta postura cura câimbras nas pernas, e torna também seus músculos  flexíveis. Os ombros ficam menos rígidos e mais flexíveis,  destravando e abrindo as costas dorsais.


 

Por Sandro Bosco às 15h21

03/09/2009

A chama do yoga


“Yoga é uma luz que, uma vez acesa, nunca se apaga. Quanto melhor você pratica, mais brilhante é a chama.”

B.K.S. Iyengar

 


Por Sandro Bosco às 22h38

02/09/2009

Contentamento: fundamental no yoga

 
 

Santosha - contentamento
Uma qualidade importante para a prática de yoga.

Cultiva-lo é importante.
Não está disponível sem esforço.
Está disponível sem esforço.

O esforço para continuar sempre,  pode ser encontrado no contentamento.
O esforço nutre o contentamento.
O contentamento nutre o esforço.
 
O esforço sobre si mesmo pode (deve) tocar com suavidade a parte mais interna do centro do coração e acorda-lo diariamente.
Mantê-lo acesso nos momentos difíceis e nos fáceis. O contentamento que mostra um doce e pequeno sorriso dos cantos dos lábios.
O esforço do contentamento em forma de gratidão pela vida.


Dois sábios yogis

Sri Maharish Patanjali o grande sábio indiano (260 a. C.), em seu indispensável livro Yoga Sutras, inclui em seus ensinamentos a importância do contentamento – santosha -. Talvez decálogos estivessem na moda naquela época e  ele o inclui nos seus dez niyamas e yamas - disciplinas internas e externas - .

Um sábio yogi de Maharashtra na India ensina “Que o contentamento pode destruir o ego”.
Que ego estamos falando?
Aquele que o faz sentir pequeno e miserável, aquele que dá a falsa noção de si, aquele que o afasta do amor pelos outros e que obscurece o sentimento de unidade e entrega.


Ego

O ego em sânscrito chama-se ahamkara, que significa aquele que divide, que separa e o afasta do que antes era uno, era pleno.


A sua experiência
Lembre-se de um momento que você estava dormindo e ao acordar devagarzinho sentiu que vinha de um lugar interno ou estava em um estado onde se sentia inteiro. Talvez pleno, sem desejos, se sentindo completo. Isto ocorreu por quanto tempo (?) antes de seus pensamentos entrarem naquele espaço. Num estado assim você estava ainda sem o domínio do ego.
Você já sentiu isto?

Você já se sentiu assim?
Foi bom?


 

Experiência de hoje cedo ..
.... quando eu estava na prática de dhyana, meditação, percebi como a mente estava cheia de pensamentos movimentados. Parecia um canal de TV de vendas e me oferecia mais do que eu pudesse consumir. Entrei no mantra que me leva ao vazio e o repeti com a respiração. Percebi que internamente minha consciência começou a se expandir neste estado vazio. Neste lugar havia silêncio. Pedi, sem palavras, abrigo e proteção neste local vazio e silencioso. Em outro espaço, como que lá fora, a tempestade ruidosa de pensamentos parecia continuar, com seus raios e trovões e eu me distanciava suave e continuamente dela. Sentido-me mais e mais protegido e abrigado neste vazio silencioso e restaurador das energias.


 

Por Sandro Bosco às 18h05

Sobre o autor

Sandro Bosco

Certificado internacional de Iyengar Yoga. Ensina e pratica yoga e meditação há mais de 40 anos, coordena a escola Yoga Dham. Neste blog compartilha regularmente todas estas experiências.

Histórico