Blog do Yogue

Busca

Sobre o blog

A idéia deste meu blog é trazer o mundo do yoga e da meditação mais perto do seu cotidiano.

Adoro responder e investigar sobre este assunto, pois é uma forma preciosa de conhecer mais este universo.

Este nome “blog do yogue” é porque vamos aproveitar a sabedoria de muitos e muitos yogues do passado e do presente para rechear e iluminar o nosso dia a dia. Yogue para quem não sabe é um sábio. E mais propriamente é aquele que chegou lá! Chegar lá no yoga é uma das muitas coisas a se saber...

04/12/2013

Desapego - o quanto eu devo praticar ?

 
 

Desapego - o quanto eu devo praticar ?

 

Certa vez um melro encontrou um alimento numa aldeia e voou rapidamente para o céu com a comida em seu bico. Alguns irmãos dele o perseguiram e tentaram pegar a comida puxando-a do bico. O melro finalmente deixou a comida cair o último pedaço e o bando frenético o deixou em paz. O pássaro lançou-se no ar, mergulhou e pensou. "Perdi a comida mas recobrei a serenidade do céu. " 

Por Sandro Bosco às 14h02

04/11/2013

Relacionamento - Yoga na Vida

 
 

Relacionamento - Yoga na Vida

Sempre tive questões do quanto certos relacionamentos fortaleceram minha relação com yoga e meditação e o quanto outros enfraqueceram. Sou muito alimentado mentalmente e emocionalmente por bons amigos, bons relacionamentos e boas conversas, no entanto minha saúde física, emocional e mental sempre se norteou pelo tempo e dedicação que preciso dedicar à prática do yoga e da meditação. Esse tempo sempre foi essencial para que eu pudesse me sentir acessível e me relacionar bem com o mundo.  As práticas me organizam internamente. Elas dão uma ordem e limpeza nas gavetas e prateleiras internas necessárias para tudo que faço. A clareza que ganho a partir daí ilumina o minha relação com os outros. A partir deste meu estado as interações aumentam. A reflexão dentro do  tema ‘Yoga na Vida’ com foco no ‘Relacionamento’ ergue colunas e suportes necessários para o yoga nos estruturar na vida de hoje com tanta comunicação e troca. Nesta 4ª feira dia 06 de novembro teremos mais uma palestra para nossos alunos e seus convidados. Se você não é atualmente nosso aluno entre em contato por este email: cursos@yogadham.com.br, para saber aonde você poderia assistir esta ou outras das palestras com Sandro Bosco.

Por Sandro Bosco às 14h44

09/10/2013

Contentamento

 
 

Contentamento

Uma vez assisti um desenho animado infantil com meu filho e o personagem disse assim: "Tem gente que só fica feliz quando fica triste". Na 4ª passada dei uma palestra sobre ‘Contentamento  - Yoga na Vida’ que me fez lembrar desse desenho animado. Muitas vezes ocorreu no meu trabalho, de alguns alunos, ao praticarem yoga por mais tempo, perceberem melhor aonde ancoram seus obstáculos internos. Aí veio a pergunta:  - Qual o asana ou  - postura – ou pranayama – respiratório – que me poderia ajudar para vencer minha tristeza? Meu descontentamento ?

Claro, asanas mostram um caminho para sairmos da negatividade através do nosso próprio corpo, e isso é brilhante; mas mesmo assim nem sempre minha resposta foi “faça essa ou aquela postura”. Muitas vezes a minha resposta foi: “Pratique contentamento!”. Diz o sábio yogue: “O contentamento não é um resultado é o meio, é uma prática constante”


Por Sandro Bosco às 08h48

14/07/2013

O mêdo na yoga

 
 

O mêdo na yoga

 

 

Ontem lembrei de uma aluna da época que eu tinha um estúdio de yoga em um prédio. Ela frequentava  as aulas com regularidade e com uma  atitude que vinha do coração. Uma dia me disse que toda vez que a porta do elevador fechava e começava a subir ela sentia um frio na barriga de medo.

‘Mas medo do que?’ eu perguntei. Seu medo era do desconhecido, dos desafios que enfrentaria nas aulas, nas posturas. Mas apesar dos olhos temerosos, encarava-os sempre com foco e pés bem no chão. Alunos assim entregues e dedicados me alimentam. Sempre me fascina quando uma pessoa percebe e reconhece seus medos e se dispõem a encará-los pelo yoga.

 

 

Por Sandro Bosco às 21h18

07/05/2013

Prontidão: yoga é ação.

 
 Auto-Conhecimento  - Prontidão é algo tão simples que nem sempre é fácil. Sinto prontidão quando dou aula, porque independente de onde eu esteja no meu mundo pequeno de humores e sentimentos pessoais, ao entrar na sala me sinto no momento presente e a serviço dos alunos que ali estejam. Como os humanos estão sempre olhando para si mesmo, pensando nos seus próprios benefícios  e nas vantagens que isso ou aquilo possa trazer para si, torna-se distante o passo imediato para a prontidão. A pergunta é:  Você está apto a saltar no oceano deste momento presente ? Mesmo que não se sinta apto, esteja pronto e salte.



Conta a  história do círculo vermelho da tradição Zen que um certo monge toda vez que tentava meditar, era incomodado por uma aranha. Logo, procurou o seu mestre e disse:  - Sempre que tento meditar me aparece uma aranha e não consigo me livrar dela. O que devo fazer? Respondeu o mestre:  - Na próxima vez que se sentar para meditar e a aranha aparecer para perturbá-lo , saque rapidamente um pincel e tinta e pinte um círculo na barriga do bicho. Então verá que tipo de monstro é. O monge assim fez. Quando veio a aranha, ele rapidamente pintou-lhe na barriga um círculo vermelho, a aranha desapareceu, deixando-o finalmente meditar em paz. Quando o monge terminou, saindo de sua profunda concentração. A primeira coisa que viu foi um círculo vermelho pintado em sua própria barriga, descobrindo assim que ele mesmo era a aranha que lhe perturbava na meditação.


 

Por Sandro Bosco às 20h23

19/03/2013

Ouvir ou escutar ?

 

"Abra o peito, e levante o esterno, fique firme mas relaxado na postura!"

 

Tadasana - postura da montanha (foto Matheus Bosco)


 

Quando eu dou para mim mesmo um comando no yogasana - postura - eu tenho que ouvir. Aliás não tem nenhum par de ouvidos mais perto da minha própria voz para escutar do que os meus mesmo. O caminho entre a minha voz interna e os meus ouvidos é bem curto, não tem como se perder. Sandro: atenção!

Por Sandro Bosco às 08h01

16/02/2013

Auto conhecimento - a chave

 Auto conhecimento é um processo de conhecer a si mesmo. Não é acumular informação nem citar frases dos sábios. Ele pode partir de um texto ou de uma palestra, fontes que contenham sabedoria mas que tragam mais perguntas que respostas. Um auto questionamento maior precisa desvendar  quem é este ‘si mesmo’. Este ‘Si’ não é próprio corpo, nem nossas crenças, nem nossas opiniões, nem o papel e a função que ocupamos na sociedade. Nesse processo, isto é oque não somos. Ao procurar entender o que não somos há um longo período de questionamento. Quando o cientista Albert Einstein, ainda criança, voltava da escola sua mãe perguntava não o que ele tinha apreendido mas se ele havia feito boas perguntas. A pergunta é o caminho. Mas aqui em especial, questionar-se sempre é um quesito desta ‘navegação interior’. Um praticante do yoga do autoconhecimento deve ter em mente que sua tarefa por maior que seja não traz o reconhecimento social. A sociedade reconhece o que pode ver, reconhece a glória e sucesso e reconhece no que você pode ser melhor do que os outros. O auto conhecimento não é algo que você adquire, é algo que você incorpora na sua vida.

 

Por Sandro Bosco às 16h10

26/10/2012

O yoga e a mente

 

A mente é mais forte que qualquer yogasana! No yoga você encontra centenas de posturas - asana -, com suas variações são mais de 1000 e os efeitos desintoxicantes no corpo físico e no corpo mental são inúmeros! Quando eu ensino a um aluno que precisa de saúde ou quer melhorar, preciso sentir e perceber se aquele aluno mostra abertura ou interesse.

Por que  ?

Porque nada entra por uma porta que está fechada. Hoje acordei e quando abri a janela senti um ar novo, úmido e gostoso da madrugada entrando pela minha respiração. Isto ocorreu porque eu abri a janela, simples assim. Eu quiz respirar algo novo. Alguma abertura é necessário para que um yogasana seja eficaz. Nem que seja uma iniciativa espontânea, mas natural. No livro que lancei recentemente investi um capítulo sobre 'atitude' porque lá, na boa atitude, é onde a mente pode se unir ao coração e é o que faz o seu movimento para dentro ganhar mais força e poder curativo.

Você vai praticar yoga ?

Lembre-se: a mente é mais forte que qualquer yogasana.

 


 

foto - Roberto Setton


Marichyasana - asana significa postura e Marichy o nome de um antigo sábio
Autorizada apenas cópia, reprodução ou compartilhamento na internet sem uso comercial, com créditos para o autor e/ou link para o blog original.

 

 

Por Sandro Bosco às 09h11

21/10/2012

O horizonte da mente

 
No Yajur Veda, textos dos mais antigos da cultura indiana, o sábio nos deixou esta prece:

"Que esta minha mente, que viaja para tão longe,

que é a luz das luzes,

a fonte de toda sabedoria,

e que vai  a lugares tão longínquos

quer eu esteja adormecido ou desperto -

que esta minha mente possa

fixar-se no que é nobre (34.1)"


E para cada um de nós cabe questionar-se frequentemente e com sinceridade: O que é nobre ?

 

 

 

Por Sandro Bosco às 15h42

11/10/2012

Concentração é tudo ?

 
 

Concentração é tudo ?

 

Alguém já te disse?
- ‘Calma, uma coisa de cada vez’ ou ‘Calma, uma idéia de cada vez’ ou ainda ‘Calma, um pensamento de cada vez’.
Pois este é o princípio yogue de dharana - concentração - que nos leva a perceber e conhecer melhor o corpo e seus limites na execução das posturas de yoga - asanas - ou sentir melhor os limites da capacidade pulmonar na execução dos exercícios respiratórios - pranayamas - e assim proteger seu aparelho respiratório. Quando treinamos dharana desta forma, através da prática regular do yoga isto acaba com o tempo transpirando naturalmente para a vida até um momento onde o que fazemos frutifica com mais força. Pois dharana é o uso da força do sutil - pensamentos - na matéria.
Mas se você sentir que ainda é cedo para este nível de concentração tudo bem, o importante é não parar e continuar sua prática de yoga.
Não desanime por que, tecnicamente, se sua mente não está concentrada agora no que você gostaria, ela está concentrada em algo mais que nem sempre foi você que escolheu.
Em resumo ela sempre está 'concentrada' em algum nível, mesmo que não pareça.
Para ela estar e ficar onde você quer é só uma questão de tempo, e da boa prática de yoga.
Leia mais:

Por Sandro Bosco às 07h28

11/09/2012

Saia da zona de conforto.

 “No espelho distorcido de sua mente, um anjo pode parecer ter a face de um demônio” Hakim Sanai.

Esta citação do sábio sufi é um grande ensinamento para estudantes de yoga que desejam se aprofundar nos estudos yogues. Ela serve como  um alerta!

 Muito do que os sábios nos ensinam nos textos antigos pode ser interpretado de mil maneiras diferentes. Quando você lê algo naturalmente interpreta e no yoga, aí reside o perigo; o  de dIstorcer àquele ensinamento para a forma que lhe seja mais conveniente. É certo que oque você aprende deve estar contextualizado e adaptado à sua vida, pois é comum você encontrar algo escrito há séculos atrás e claro, o mundo mudou! Mas cuidado: a essência do ensinamento tem de ser mantida. Se você faz  desta 'adaptação do ensinamento antigo para o século XXI 'uma forma de continuar na sua zona de conforto, você não abre as portas para as mudanças que se fazem necessária. No caso, para um estudante e praticante de yoga acompanhar o movimento de transformação que o yoga vai trazendo à sua vida, significa sair da zona de conforto e aí o espelho distorcido da sua mente pode tornar algo luminoso que você leu ou ouviu em algo sombrio. No yoga não cabe acumular conhecimento intelectual meramente mental, o yoga é prático e as mudanças que vem precisam ser acolhidas na vida diária. Lembro você que: as mudanças não cabem dentro das suas conhecidas zonas de conforto.


Autorizada apenas cópia, reprodução ou compartilhamento na internet sem uso comercial, com créditos para o autor e/ou link para o blog original.



Por Sandro Bosco às 07h39

24/08/2012

Destino: eu ou ele?

 
 

Destino: eu ou ele?

 

Porque reclamar do destino se ele está na suas mãos ? Porque  quantas coisas acontecem independente da sua vontade a cada minuto? O quanto você contribue para que cada uma dessas coisas aconteça livremente  é o quanto você não tem consciência delas. Os yogues nos ensinam que tudo está dentro de uma dança de 'causa e efeito'. Tudo. Os físicos também confirmam isso. Mas ninguém pode atestar que nesse constante 'causar aqui' e 'tomar lá' que um mais um é igual a dois. A esse 'vai e vem' do movimento da ação deram o nome de 'lei do karma'. Há dois mil anos atrás (ou talvez bem mais) já se disse na antiga India que "os caminhos do karma são insondáveis". Isso siginifica que não dá para deduzir que  eu faço isso e por isso me acontece aquilo,  ganharei isto porque doei aquilo. Muito menos ficar deduzindo sobre o karma dos outros (a não ser que o intuito seja jogar fora tempo e energia). Não, não é bem assim que funciona, pois dentro deste sabedoria ancestral indiana não se reconhece  uma só pessoa igual, não há um remédio exato para todas as pessoas, não há um destino igual ao outro. Mas como isto é possível? Bem, no universo das estrelas e galáxias e no universo dos seres humanos tudo muda a cada segundo e não se repete da mesma forma. A prática regular do yoga e da meditação, e  já se  disse isso antes,  leva você do conhecido ao desconhecido. Essa consciência que vai expandindo em qualidade e força, leva você do destino que é conhecido ao destino que ainda não é conhecido.  E isso é o que pode trazer paz e luz ao seu caminho.

 

 

Por Sandro Bosco às 08h10

26/07/2012

Dissolvendo as barreiras

 
 

Dissolvendo as barreiras

Ao terminar o retiro de 04 dias me tocou a frase do poeta persa Rumi.

"Sua tarefa não é buscar o amor, mas simplesmente buscar e encontrar todas as barreiras que você construiu dentro de si mesmo contra ele"

As palavras deste sábio me chamaram a atenção com o que aconteceu nestes quatro dias de imersão. Ao me lembrar do estado de cada um ao chegar no local,  o trajeto de cada um internamente,  o movimento que o grupo faz, como tudo termina e aonde se chega: é gratificante.

A prática de yoga e da meditação, a convivência em grupo- sangham - com um mesmo propósito, deu mais uma vez uma direção para a energia, expandindo o sentido de união com o local, com a natureza e entre as pessoas do grupo.

É tão simples o processo e tão profundo ....


Autorizada apenas cópia, reprodução ou compartilhamento na internet sem uso comercial, com créditos para o autor e/ou link para o blog original

 

 

Por Sandro Bosco às 08h39

10/04/2012

Apêgo

 
 

Apêgo

 

Quando estamos na prática dos yogasanas estamos em contato com todo tipo de desafios. Devemos acolher o desafio e a sensação ou sentimento que nos trazem para aprendermos a lidar com eles.

O desafio maior que ocorre tanto durante uma postura  que exija (pouco ou muito) fisicamente é a atenção. Ao querer trazer atenção para o corpo físico e para o que estou fazendo é necessário abdicar ou desapegar do que se está pensando ou sentindo ou ainda desapegar das preocupções e este é um grande aprendizado.

Mesmo que você tente lembrar das coisas que realmente está apegado nessa vida terá dificuldade de reconhecer o quanto está apegado às suas próprias opiniões e crenças e elas continuam afastando de você as mudanças mais importantes e positivas que posssam ocorrer na sua vida. Isso ocorre por apêgo ao que já é conhecido por você mesmo; ou ocorre também por desconhecimento desse apego e das coisas que mantém você apegado. E cuidado, pois nem sempre  o mairo apego é por coisas materiais mas muito mais aos valores e opiniões que você guarda.

Uma revisão pode tornar possível perceber o quanto os seus principais valores e crenças já estejam desatualizados pela própria vida que você leva. A vida está sempre empurrando você para o novo, para a clareza, para o que é mais verdadeiro e melhor para o seu crescimento humano; não deixe que sua coleção de apegos torne isso pesado para ela.

 

Praticando o desapego do que realmente importa requer um boa auto-investigação.  O yoga tem que tornar você mais atento a você mesmo, ao que você pensa e ao que você está de fato apegado e sofrendo pela possivel perda.

A partir dessa qualidade de atenção começa o caminho do desapego que  liberta você do sofrimento.

 


 

Pincha Mayurasana - pincha  = cauda;  mayur = pavão

 


Autorizada apenas cópia, reprodução ou compartilhamento na internet sem uso comercial, com créditos para o autor e/ou link para o blog original.

 

 

Por Sandro Bosco às 12h15

02/04/2012

Sou o que penso

 
 

Sou o que penso



Seu pensamento é seu próprio mundo
O que uma pessoa pensa é o que ela se torna.

Este é o eterno mistério. - Maitri Upanishad -

Já ouvi toda a sorte de pessoas se impressionar com a mensagem contida nessa frase. Oque me parece algo universal principalmente quando os que a ouvem tem algum tipo de reflexão sobre a sua vida mesmo que seja dentro de uma esfera  racional. Vejo que apesar do impacto que ele possa causar em mim e em você temos um abismo que nos separa do entende-la e do assumi-la em sua totalidade.

Vale a reflexão:  - Por que algo tão simples pode se tornar  tão difícil uma vez que parece uma grande solução prática saber e reconhecer que 'o que eu penso eu me torno' ?


Autorizada apenas cópia, reprodução ou compartilhamento na internet sem uso comercial, com créditos para o autor e/ou link para o blog original


Por Sandro Bosco às 16h54

Sobre o autor

Sandro Bosco

Certificado internacional de Iyengar Yoga. Ensina e pratica yoga e meditação há mais de 40 anos, coordena a escola Yoga Dham. Neste blog compartilha regularmente todas estas experiências.

Histórico