Destino: eu ou ele?

 

Porque reclamar do destino se ele está na suas mãos ? Porque  quantas coisas acontecem independente da sua vontade a cada minuto? O quanto você contribue para que cada uma dessas coisas aconteça livremente  é o quanto você não tem consciência delas. Os yogues nos ensinam que tudo está dentro de uma dança de 'causa e efeito'. Tudo. Os físicos também confirmam isso. Mas ninguém pode atestar que nesse constante 'causar aqui' e 'tomar lá' que um mais um é igual a dois. A esse 'vai e vem' do movimento da ação deram o nome de 'lei do karma'. Há dois mil anos atrás (ou talvez bem mais) já se disse na antiga India que "os caminhos do karma são insondáveis". Isso siginifica que não dá para deduzir que  eu faço isso e por isso me acontece aquilo,  ganharei isto porque doei aquilo. Muito menos ficar deduzindo sobre o karma dos outros (a não ser que o intuito seja jogar fora tempo e energia). Não, não é bem assim que funciona, pois dentro deste sabedoria ancestral indiana não se reconhece  uma só pessoa igual, não há um remédio exato para todas as pessoas, não há um destino igual ao outro. Mas como isto é possível? Bem, no universo das estrelas e galáxias e no universo dos seres humanos tudo muda a cada segundo e não se repete da mesma forma. A prática regular do yoga e da meditação, e  já se  disse isso antes,  leva você do conhecido ao desconhecido. Essa consciência que vai expandindo em qualidade e força, leva você do destino que é conhecido ao destino que ainda não é conhecido.  E isso é o que pode trazer paz e luz ao seu caminho.